A arte de criar um anti-herói que os leitores adoram

Publicado por vilto em

Anti-herói

Quem não gosta de um anti-herói?

Na ficção, às vezes é difícil categorizar os vários tipos de personagens. Especialmente quando a moralidade deles não pode ser facilmente definida.

E, sem dúvida alguma, cada vez mais o público procura este tipo de narrativa. Na qual, as coisas não são preto ou branco. Porém existem uma série de nuances e complicações que vão muito além de bem e mal.

Daí vem os sucesso de público das narrativas que têm anti-heróis. E se você quer aprender como criar um, continue lendo este artigo!

 

O que é um anti-herói?

Basicamente, o anti-herói é uma espécie de protagonista – personagem central da história – que tem aspectos da moralidade que tradicionalmente associamos aos antagonistas.

Um anti-herói é um protagonista que é tão falho ou mais falho do que a maioria dos personagens. Ele é alguém que perturba o leitor com suas fraquezas, mas é retratado com simpatia e amplia as fragilidades da humanidade.

Podemos pensar em Francis Underwood, de House of Cards, ou Han Solo, dos filmes de Star Wars. Na literatura, o melhor exemplo talvez seja Tom Ripley, do livro O talentoso Ripley, de Patricia Highsmith.

 

Outros tipos de anti-heróis

Um anti-herói também pode desempenhar o papel de um estranho ou solitário. Muitas das vezes possui auto-estima frágil, falhou no amor ou está distante das pessoas do seu passado.

O leitor ama esses personagens porque eles são realistas e relacionáveis, imperfeitos e agitados com contradições.

Também podem ser rebeldes em busca de liberdade ou justiça, e geralmente estão dispostos a tomar a lei em suas próprias mãos. Eles geralmente ocupam uma área cinzenta entre o cara legal e o vilão. Assim como Jack Sparrow nos filmes de Piratas do Caribe. Até mesmo Robin Hood se encaixa nesta categoria.

Os anti-heróis podem ser desagradáveis, lamentáveis ​​ou encantadores, mas são sempre heróis fracassados ​​ou profundamente falhos. Frequentemente repletos de traços e qualidades paradoxais. Eles se assemelham mais a pessoas reais do que qualquer outro tipo de personagem fictício.

 

O que é importante para criar um anti-herói

Uma das qualidades mais importantes a lembrar é que os anti-heróis raramente, ou nunca, refletem os valores mais elevados da sociedade – ou o que gostamos de pensar como os valores da nossa sociedade.

Por exemplo, o tipo de traços valorizados pela maioria dos membros da sociedade – como honestidade, força, integridade e compaixão – nem sempre será exibido por um anti-herói em uma história. Ou, ele pode ter um arco de personagem onde ele adota a contragosto algumas dessas características.

Os personagens heróis tradicionais eram mocinhos com características que todos nós queríamos imitar. Os anti-heróis invertem essa suposição.

Aqui está o truque para criar anti-heróis: Eles sempre possuem um pathos subjacente. A maioria dos personagens vem com falhas, neuroses e “problemas”. Mas com um anti-herói, esses problemas são mais notáveis ​​e problemáticos, e às vezes atrapalham a formação de ligações íntimas.

Há sempre algo que está estragando o plano do anti-herói, e esse algo é geralmente do seu passado.

Uma história com um anti-herói em um papel de protagonista pode retratar como uma pessoa não pode escapar facilmente do passado, particularmente das perdas profundas.

 

Como desenvolver um esboço para a criação de um anti-herói

É preciso uma boa mão para desenhar um anti-herói. Pois este personagem requer uma grande quantidade de nuances para despertar reações complicadas no leitor.

Afinal, você precisa saber se o comportamento dele é acidental ou se ele é redimido pelos eventos da história.

Um truque para criar um anti-herói é moldar seus traços primários de modo que sua natureza e personalidade essenciais sejam claras para você ao criar cada cena em que ele aparece.

Você precisa saber o porquê desses traços e crenças. Ou seja, como ele veio a ser assim. Se seu personagem é sem lei, rebelde ou detestável, é provável que de alguma forma ele justifique esses comportamentos.

[Infográfico] 6 Ideias de conflitos para escrever histórias com personagens inesquecíveis

Um anti-herói não é simplesmente um rebelde que não pode seguir as regras. As razões pelas quais ele age como age são importantes para a história.

Ao criar personagens anti-heróis, considere que eles:

  • Não são modelos, embora às vezes nós secretamente gostaríamos de nos comportar como eles;
  • Quase sempre são sem glamour e sem atrativos no caráter, bem como na aparência;
  • Podem ser motivados pelo interesse próprio e pela autopreservação, mas geralmente há uma linha que os anti-heróis não cruzam, o que os diferencia dos vilões;
  • Muitas vezes, têm motivos complicados que variam de vingança a honra;
  • Quando forçado a escolher entre o certo e o errado, às vezes escolherá o errado porque é mais fácil;
  • Podem jogar nos dois lados. Como mocinhos e bandidos, aproveitando ambos;
  • Às vezes pode ser coagido para ajudar azarões, crianças ou personagens mais fracos, quem sabe até fazê-lo voluntariamente;
  • Podem incorporar traços e comportamentos pouco atrativos, como atitudes sexistas e racistas, e reações violentas quando injustiçados;
  • Podem mostrar pouco ou nenhum remorso por maus comportamentos;
  • Geralmente são uma confusão de contradições.

Apesar de os anti-heróis serem necessariamente complexos, tome cuidado para não torná-los angustiados demais ou mal-humorados. Ou não terão simpatia do leitor.

Diferentemente da maioria dos vilões, os anti-heróis podem ter um arco de personagem no qual eles são redimidos ou transformados até o final da história.

Na verdade, eles podem se tornar heróicos.

A coisa mais importante a lembrar quando se cria um anti-herói como seu personagem principal é que ele é a antítese do herói ultra-competente.

*Adaptado do site Writer’s Digest.

***

Quer aprender mais sobre criação de personagens?

Então conheça o curso CAMINHO DO ESCRITOR. São mais de 20 vídeo-aulas sobre os principais temas da criação literária.

Além disso, você ainda tem 2 projetos para desenvolver no decorrer do curso. Ambos com feedback.

Isso tudo com 100% de Garantia ou seu dinheiro de volta em até 30 dias.

Para mais informações, clique aqui!


2 comentários

shiro1984 · 4 de dezembro de 2018 às 1:09 am

E no caso do ant-herói ser mau forçadamente? Como no caso de alguém fraco que escolhe o caminho mais fácil, mas que seu proposito é bom(como proteger alguém) e para isso ele tem que se passar por mau? Isso ainda poderia ser um ant-herói?

    vilto · 5 de dezembro de 2018 às 5:57 pm

    Pode sim. Ou também pode ser um vilão simplesmente. Tudo depende do desenvolvimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *