fbpx

Artigos

13 Casas de escritores incríveis que você pode visitar

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 12 de maio de 2021
13 Casas de escritores incríveis que você pode visitar
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

O que você pode descobrir sobre uma pessoa criativa ao ver onde ela morou e trabalhou? A seguir, você verá as casas de escritores, locais onde nasceram, em que escreveram as suas obras mais conhecidas e onde morreram.

Da fazenda de Massachusetts onde Emily Dickinson escreveu 1.800 poemas para Greenway em Devon, à casa que Agatha Christie chamou de “o lugar mais adorável do mundo”, aqui está uma seleção de 13 das melhores casas de escritores que você pode visitar ao redor do mundo.

Continue lendo este artigo para conferir:

Propriedade do Memorial Rozhdestveno de Vladimir Nabokov, em Siverskaya, Rússia

Mansão Rozhdestveno no Oblast de Leningrado
Rozhdestveno no Oblast de Leningrado. Fotografia: Pavlikhin

Nabokov nasceu em uma das famílias aristocráticas mais proeminentes da Rússia, passando sua infância entre propriedades em Siverskaya e a grande casa de São Petersburgo, na rua Bolshaya Morskaya, 47 — um lugar que ele descreveria como “a única casa do mundo”.

Salão da Casa Nabakov em São Petersburgo
Salão da Casa Nabokov. Via St Petersburg.com.

Em 1916, com apenas dezesseis anos, ele herdou de seu tio a dramática mansão do século 18 em Rozhdestveno, mas a história interferiu para garantir que ele nunca tivesse a chance de desfrutá-la plenamente. Sua família fugiu da revolução menos de um ano depois. O escritor nunca mais voltaria à Rússia ou veria as casas de sua infância novamente, mas agora ambas foram estabelecidas como museus de seu legado literário.

Casa Jean Cocteau, em Milly-la-Foret, França

Fotografia, a partir da esquerda: @studiomuseums; SiefkinDR

Em 1947, devido ao sucesso de sua obra seminal La belle et la bête (A bela e a fera), o poeta, artista e cineasta Jean Cocteau comprou uma casa do século 16 em uma pequena cidade a 50 km ao sul de Paris . 

Era para ser um refúgio, algum lugar privado em que ele pudesse ir primeiro com Jean Marais, depois com seu parceiro Edouard Dermit. Com o apoio do filantropo Pierre Bergé, a casa do escritor foi preservada exatamente como Cocteau a deixou, e os visitantes podem explorar a Maison Jean Cocteau e a vizinha Capela de Saint-Blaise-des-Simples, o local de seu túmulo, que ele decorou com um mural com a linha ‘Eu permaneço com você’. 

Se você for ao sul da França, também é recomendado um passeio pela Villa Santo Sospir, propriedade da socialite Francine Weisweiller, onde Cocteau passou muitos anos. As paredes do local são decoradas com afrescos do artista.

Casa de Dylan Thomas, The Boathouse, em Laugharne, País de Gales

Fotografia: Peter Broster

Em 1949, quatro anos antes de sua morte, o poeta Dylan Thomas mudou-se com sua família para a Boathouse na vila galesa de Laugharne. 

É um local idílico, situado na beira de um penhasco acima do Estuário Taf, com vista para a península de Gower, e provou ser altamente inspirador.

Entre as casas de escritores, esta do Dylan Thomas certamente chama a atenção!
Fotografia: Llansteffan.com

Hoje, os visitantes de Laugharne podem ver a The Boathouse e a Thomas’s Writing Shed, a garagem que ele transformou em um paraíso criativo e onde escreveu alguns de seus poemas mais famosos, retratando águias e garças voando e chorando na foz do rio.

Casa de Lord Byron, Newstead Abbey, em Nottinghamshire, Inglaterra

Abadia de Newstead - a casa de Lord Byron
Fotografia: Brian Fagan

A Abadia de Newstead tem um passado florido que sem dúvida excede até mesmo o de seu habitante mais famoso. 

Anteriormente um Priorado Agostinho, foi dado por Henrique VIII a Sir John Byron de Colwick durante a Reforma em 1540. Ao longo dos anos, o local foi transformado em uma extravagante mansão gótica, mas sua queda começou com o quinto Lord Byron, o chamado de “Senhor Mau”, que, enfurecido com a fuga de seu filho, comprometeu-se à ruína, de modo que o filho errante não herdaria nada além de dívidas. 

No evento, tanto seu filho quanto seu neto morreram antes dele, então com sua morte em 1798 a propriedade caiu nas mãos de seu sobrinho-neto — o futuro poeta, bon-viveur e ícone romântico George Gordon Byron. 

O poeta viveu ali periodicamente durante sua curta vida, e declarou ‘Newstead e eu ficamos ou caímos juntos’, mas a ruína financeira perpetrada por seu tio tornou impossível manter a mansão. Hoje é possível visitá-la.

Casa de Agatha Christie, a Greenway, em Devon, Inglaterra

Fotografia: Harry Mitchell

Nascida e criada em Torquay, a Rainha do Crime, Agatha Christie, vivenciou a Greenway por toda a sua vida. 

Ela a descreveu como “uma casa georgiana branca de cerca de 1780 ou 90, com bosques estendendo-se até o Dart abaixo e muitos arbustos e árvores finos”, declarando-a: “A casa ideal, uma casa de sonho.” 

A escritora a comprou em 1938 e tornou-se um paraíso de férias até sua morte em 1976, bem como o cenário levemente ficcional para várias de suas histórias.

Casa de Agatha Christie, Greenway
A Greenway Bathhouse, onde Agatha Christie leria seus manuscritos. Fotografia: Derek Voller/Geography.org

Os fãs de Agatha Christie também podem fazer uma peregrinação ao infame Edifício Isokon, inspirado pela escola de arte Bauhaus, em Hampstead, em Londres, onde a escritora viveu entre 1941 e 1947, ao lado de arquitetos, artistas e espiões alemães e soviéticos — incluindo Arnold Deutsch, recrutador do Cambridge Five.

Virginia Woolf, a Monk’s House, em East Sussex, Inglaterra

Antiga casa da escritora Virginia Woolf, Monk's House
Fotografia: Oliver Mallinson Lewis

A casa mais intimamente associada ao Grupo Bloomsbury é a Vanessa Bell’s Charleston, em Firle, mas a apenas cinco quilômetros fica a Monk’s House, o retiro rural pertencente à irmã de Bell, Virginia Woolf. 

Não tem nada como a escala ou drama de Charleston — é uma modesta casa de campo do século 17 — mas tem seu charme. 

Virginia e seu marido Leonard a compraram em 1919, tendo se apaixonado pela “forma, fertilidade e selvageria do jardim”. Esse jardim se tornaria a obsessão de Leonard e um bálsamo para a depressão da Virgínia — sua cabana de escrita ficava escondida entre as árvores e sua caminhada diária de casa até a escrivaninha era uma fonte de paz e inspiração.

Virginia Woolf Monk House em East Sussex
Fotografia: John Cummings

Hoje, a Monk’s House é preservada pela National Trust, e os visitantes encontrarão a casa devolvida ao estilo de seus dias de Bloomsbury, repleta de coleções de móveis, livros e arte dos Woolfs. 

A Casa & Museu de Mark Twain, em Hartford, Connecticut, EUA

Mark Twain House - a casa do escritor
Fotografia: Scott Rettberg

Um exemplo vivo do alto estilo gótico vitoriano, a residência do autor em Connecticut também conhecida como Samuel Langhorne Clemens foi descrita como “parte barco a vapor, parte fortaleza medieval e parte relógio cuco”. 

Construída em 1874, com projeto de Twain e sua esposa, foi a casa do escritor por 17 anos. Lá ele escreveu Aventuras de Huckleberry Finn e Tom Sawyer.

Mark Twain House - a casa do escritor
Fotografias: Jack E Boucher – Biblioteca do Congresso, Divisão de Impressos e Fotografias, Pesquisa de Edifícios Históricos Americanos

Problemas financeiros levaram Twain a alugar a casa em 1891 e nunca mais morar lá, mas seu amor pelo lugar era inegável: “Para nós, nossa casa… tinha um coração, uma alma e olhos para nos ver… foi nossa e confiamos nela…” 

Faça um tour virtual aqui.

Museu Emily Dickinson, em Amherst, Massachusetts, EUA

Museu Emily Dickinson - a casa do escritor
Fotografia: Daderot

Emily Dickinson está mais intimamente associada à sua casa do que a maioria dos outros escritores desta lista, em virtude do fato de que a partir dos trinta anos ela ficou confinada a ela. 

“Não cruzo o terreno de meu pai com nenhuma casa ou cidade”, escreveu ela em 1868, e abundam as histórias de como ela conduzia interações sociais por trás das portas. 

A casa era uma grande herdade de estilo federal construída nos anos de 1830, a casa do escritor foi preservada tanto quanto Dickinson a teria conhecido, incluindo seu quarto — a “sala poderosa” onde ela escreveu todos os seus poemas em uma escrivaninha minúscula de apenas 45 cm de largura. 

Escritores iniciantes agora podem alugar o quarto e trabalhar na famosa escrivaninha (é uma cópia, no entanto, já que o original reside em Harvard).

A casa de Edward Gorey, em Cabo Cod, Massachusetts, EUA

Edward Gorey House - a casa do escritor
Fotografia: Dr Momentum

A deliciosa estranheza da cabana do velho capitão do mar de Edward Gorey em Cabo Cod , onde viveu de 1979 até sua morte em 2000, está totalmente de acordo com seu trabalho, apesar de ter pouca semelhança em relação ao que era quando o autor-ilustrador ainda estava vivo. 

Gorey encheu a cabana com uma desordem louca governada por um coven de gatos adorados. Hoje, a casa do escritor foi invadida por suas criações alegremente macabras. Os destaques incluem uma caça ao tesouro mostrando os finais fatídicos de The Gashlycrumb Tinies, de “A é para Amy que caiu da escada” até “Z é para Zillah que bebeu muito gim”.

Casa de Edith Wharton, a The Mount, em Lenox, Massachusetts, EUA

The Mount - a antiga casa de Edith Wharton
Fotografia: Gigglewater

Em 1903, Edith Wharton escreveu sobre seu último empreendimento criativo: “Estou maravilhada com o sucesso de meus esforços… Este lugar, cada linha do qual é meu próprio trabalho, ultrapassa em muito The House of Mirth…” 

Ela estava descrevendo a The Mount, a casa senhorial de inspiração georgiana situada em 113 acres de Massachusetts. 

Infundida com as tradições francesas, italianas e inglesas, a casa de Edith Wharton foi a enunciação perfeita da paixão de toda a vida da autora por design, arquitetura e paisagismo.

The Mount - a antiga casa de Edith Wharton
Fotografia: David Dashiell, cortesia de The Mount

Infelizmente, as circunstâncias conspiraram para deixá-la morar lá por apenas dez anos — quando seu casamento com o psicologicamente instável Teddy Wharton desmoronou, ela abandonou os Estados Unidos e acabou se estabelecendo na Europa. Mas hoje, depois de anos como uma escola para meninas, a The Mount foi restaurado à sua glória de Wharton e agora está aberta a todos.

Museu da Casa Gabriel García Márquez, em Aracataca, Colômbia

Museu Gabriel Garcia Marquez
Fotografia: Jaeil Jin via Facebook

A ficção de Gabriel García Márquez — um dos maiores romancistas da América do Sul — teve seu início embrionário em Aracataca. 

A família de García Márquez mudou-se para lá em 1910 para que seu avô pudesse escapar do remorso de matar um homem em um duelo, e foi na pequena cidade ribeirinha que o autor começou a ler vorazmente e a encontrar os espíritos bons e maus que permeiam seus romances. 

A casa original foi destruída por uma tempestade, mas a residência de oito cômodos foi reconstruída em 2010 como um local de peregrinação literária, preenchido com mobília do autor.

Museu Karen Blixen, em Nairóbi, Quênia

Museu Karen Blixen em Nairobi - a antiga casa do escritor

Via edifícios abertos

“Eu tinha uma fazenda na África, no sopé das colinas Ngong.” Desde a primeira linha de seu livro de memórias best-seller, A fazenda africana, Karen Blixen capturou a imaginação de milhões de leitores com seu retrato dos dias finais do Império Britânico no Quênia. 

Blixen chegou ao Quênia em 1914 para se casar com seu primo, o indefeso Barão Bror von Blixen-Fincke. 

A história que se desenrola — de safáris ao luar, frustração, traição, casos, divórcio, seca e a eventual venda de sua plantação de café e o retorno desolado de Blixen à Dinamarca em 1931 — foi um sucesso na mídia impressa e na tela, no vencedor do Oscar, o filme Out of Africa (Entre dois amores, no Brasil, 1985), estrelado por Meryl Streep.

Casa da fazenda de Karen Blixen em Nairobi
Via Mango African Safaris

Hoje, a casa da fazenda onde Blixen viveu e trabalhou foi transformada em um museu, uma celebração da vida da autora e uma comemoração da complicada época colonial em que ela viveu.

Local de nascimento de Katherine Mansfield, Thorndon, Wellington, Nova Zelândia

Local de nascimento de Katherine Mansfield, Thorndon, Wellington
Cortesia de Katherine Mansfield House

Apesar de sua morte tragicamente prematura com apenas 34 anos, Katherine Mansfield permanece até hoje a escritora mais famosa da Nova Zelândia. 

Ela não passou muito tempo em seu país natal — nascida em 1888, ela e sua família se mudaram para Londres em 1903 e ela nunca mais voltou, passando o resto de sua curta vida viajando pela Europa. 

Mas seus primeiros cinco anos foram vivendo ​​em uma modesta casa branca de dois andares, perto do mar em Wellington. Ela parece ter nutrido uma forte aversão pelo lugar — em sua escrita, é descrito de várias formas como um “cubículo escuro” e uma “horrível casinha de porquinho” —, no entanto, suas memórias e experiências foram recriadas em vários dos seus textos.

Hoje, a casa foi restaurada ao seu estado original e apresenta uma coleção fascinante dos pertences de Mansfield.

***

E aí, qual dessas casas de escritores você gostaria de visitar?

Traduzido do site The Spaces.

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *