fbpx

Desenvolver seu talento: O que Pablo Picasso tem a ensinar aos escritores

Publicado por Vilto Reis em

Qual relação pode ter o pintor Pablo Picasso com os escritores? E ainda qual relação com desenvolver seu talento, escritor?

É o que você pode ter se perguntado ao ver o título deste artigo.

Mas a verdade é que se os escritores se dedicassem a entender estes outros artistas, ou melhor ainda, estudar a vida deles para compreender como fizeram seu nome, provavelmente se libertariam de vários preconceitos que não ajudam artista algum.

E Pablo Picasso tem muito a nos ensinar sobre como desenvolver seu talento. Acredite.

Alguém dirá que ele já nasceu com o talento. Outros que a prova disso foi ele ter pintado sua primeira tela aos oito anos. A verdade, porém, é o que vou mostrar neste artigo.

Por meio de uma leitura rápida, você verá entenderá como Picasso se tornou Picasso.

Continue lendo se você quer aprender como desenvolver seu talento.

 

Ainda não sei se talento pode ser desenvolvido

Muito bem. Se ainda não se convenceu sobre a importância de desenvolver seu talento, repare em uma tela do início da carreira de Picasso e de outra após ele ter colaborado na invenção do estilo que o tornaria conhecido, o Cubismo.

Primeiro, temos um pintor que jogava dentro das regras. Alguém que viria a estudar as estruturas e as conhecê-las para poder quebrá-las.Agora detalhe: ambas as imagens são autorretratos feitos pelo menos pintor. Claro, em idades diferentes.

A primeira, aos quinze anos, um adolescente ainda. E a segunda, aos 90.

Você conseguiria identificar o autor se visse somente a primeira tela? Eu, pelo menos, não.

O que nos leva a uma pergunta muito importante.

 

Como Picasso inventou seu estilo ao conseguir desenvolver seu talento?

Como minha amiga Juliana Vermelho Martins*, você também deve ter ficado chocado ao ver a obra do início da carreira do pintor.

Talvez até pensado: mas ele também foi “normal” um dia?

Com certeza.

Seu desenvolvimento, como o de qualquer artista, e diferente da ideia romantizada que muita gente propaga, passa por anos de dedicação, estudo e prática de sua arte.

Se começou muito cedo a pintar – pintou sua primeira tela aos oito anos de idade –, retratando cenas de uma tourada, foi por que seu pai também era pintor.

Outra pessoa dirá que vem daí o “dom”. Mas eu pergunto: o que as crianças fazem senão imitar os pais?

Alguém chamará de sorte. E até mesmo usará a desculpa da falta dela para não se tornar um artista, mas se nos determos ainda mais na história de Picasso, veremos que não é o caso.

Em 1897, o jovem pintor conseguiu ingressar na Real Academia de Belas-Artes de São Fernando. Na época, a mais bem conceituada escola de pintura da Espanha. No entanto, no mesmo ano adoeceu de escarlatina e voltou a Barcelona.

E que tal ainda a sorte?

A sorte de ter ido a Paris em 1900 para viver sua fase de maior miséria. Pintava de noite e vivia precariamente se sustentando com o que conseguia.

Uma coisa, porém, foi muito importante para a sua formação.

 

O contato com as referências que salvaram sua vida

Aprenda como desenvolver seu talento com Pablo Picasso.

Sempre que falo de criatividade, aponto três fontes propulsoras:

  • Sua história pessoal;
  • A pesquisa;
  • E o contato com referências.

No caso de Picasso, sua ida a Paris foi importante para conhecer aqueles que seriam seus pares vanguardistas. Gente do calibre de André Breton, Guillaume Apollinaire e a escritora Gertrude Stein.

E aqui entra o aprendizado de imersão, que tanto defendo.

Quando você quer aprender uma coisa é necessário que faça uma imersão no assunto. Ande com gente que fala sobre aquilo, veja o que especialistas no assunto têm a dizer, leia livros a respeito e, claro, pratique mais do que tudo.

Pablo Picasso desenvolveu milhares de trabalhos. Experimentou os mais diversos materiais em suas pinturas, esculturas e cerâmica. Estudou as artes grega, ibérica e africana, o que se nota com clareza em sua obra.

Não à toa foi um dos fundadores do Cubismo, um estilo de pintura dos mais importantes do século XX. A ideia básica era a da desconstrução geometricamente da imagem. Em tempos de fotografia, não precisava-se mais ater à reprodução, mas sim adicionar novas possibilidades à realidade.

Percebe-se que não foi algo que se inventou de um dia para o outro, não é mesmo?

Então o que você pode aprender com esta história como artista?

 

Posso quebrar as estruturas e inventar meu estilo?

É claro que sim.

Mas não seja apressado em mostrar sua individualidade. Para conseguir quebrar uma estrutura, é preciso conhecê-la. Ou até mesmo estudá-la.

Gustave Flaubert, que revolucionou a visão do narrador na literatura com seu Madame Bovary, afirmava ter inveja de Miguel de Cervantes, autor de Dom Quixote. Segundo o primeiro, Cervantes escreveu por instinto. Mas após a compreensão das técnicas literárias, ninguém mais poderia fazer o mesmo. Seria preciso conhecê-las.

Resumindo: quer quebrar as estruturas? Comece as entendendo com profundidade.

Veja a evolução do Picasso.

Repare nessa coleção de quadros de autorretratos do autor separados por idade:

Picasso não começou pintando Guernica (uma de suas obras mais famosas e importantes). Como este quadro abaixo, Ciência e caridade, ele até ganhou um prêmio! Portanto, praticar a estrutura também pode produzir resultados. O mais importante é a sua dedicação.

Se você não sabe por onde começar, separei três dicas para você.

 

3 Dicas rápidas para desenvolver seu talento

1) Comece estudando a estrutura de 3 atos

A estrutura de 3 atos é algo milenar. A descoberta veio de Aristóteles em A poética. Ao observar a estrutura das peças clássicas, ele notou a frequência da divisão em 3 partes. Mal sabia ele que suas observações seriam usadas até hoje, mais de 2 mil anos depois.

Vou deixar aqui alguns links para ajudar você.

2) Procure ler dicas de grandes escritores

Conhecer os caminhos do escritor por meio do exemplo de grandes mestres pode ser uma opção interessante. Não à toa aqui na RUSGA – Cursos Para Escritores trabalhamos tanto com dicas dos mestres.

Portanto, comece por estes materiais:

3) E estude técnica literária

É claro que eu também não posso deixar de incentivar o estudo em cursos e oficinas. Procure sempre estudar e compartilhar experiências. Foi o que os grandes fizeram. E se você quer ser um deles, invista nisso.

Mais de 1000 alunos já fizeram cursos na RUSGA e você também pode seguir este caminho.

Cursos indicados para você:

Conclusão

Estude sempre para conseguir evoluir como escritor. Desenvolver seu talento leva anos, mas se você for pensar nisso, talvez nunca saia do lugar.

Por isso, invista no aperfeiçoamento constante para realizar seu sonho.

É como o pessoal costuma dizer, um “trabalho de formiguinha”. Não é fácil, nem simples. Mas se é o que você deseja, corra atrás.

Pode até ser uma frase cliché, porém trata-se de uma grande verdade. A vida é muito curta. E você deve correr atrás de conquistar o que sonha.

 

Leia também:

 

*A pesquisa para este artigo, assim como a sugestão da pauta, foi feita pela aluna do curso ESCREVA SEU ROMANCE, Juliana Vermelho Martins.


3 comentários

Carlos · 14 de março de 2018 às 2:15 pm

Gostei muito!

Alex Monteiro · 25 de março de 2018 às 7:41 pm

Grande Vito!
Bacana o artigo, lembrei de 2 frases do Picasso:
“Inspiration exists, but it has to find you working.”
“Learn the rules like a pro, so you can break them like an artist.”

Grande abraco!

    Vilto Reis · 26 de março de 2018 às 9:44 am

    Obrigado, Alex!

    Grandes frases que com certeza podemos nos inspirar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.