fbpx

Artigos

Os 10 erros de escritores mais corrigidos — Veja quais você comete

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 9 de setembro de 2020
Os 10 erros de escritores mais corrigidos — Veja quais você comete
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Meu objetivo com este artigo sobre os erros de escritores mais corrigidos é fazer você escrever melhor.

Nas leituras críticas em que venho trabalhando, procuro contribuir também na questão da “preparação do texto.” Logo me questionei: por que não falar publicamente sobre isso?

Assim sendo, selecionei nos relatórios que envio aos escritores os erros mais frequentes e listei aqui.

Assim, você pode dar uma olhada nos seus textos e já eliminá-los. 

Que tal dar mais uma polida na sua escrita? Deste modo, você com certeza irá agradar aos leitores e aos editores (e me poupar trabalho, ah, digo, vou poder me focar mais em questões estruturais quando for fazer sua leitura crítica, ok?).

Então vamos conferir quais são os erros de escritores mais corrigidos.

Os 10 erros de escritores mais corrigidos 

Travessão

É importante você não iniciar o diálogo com hífen (-) ou meio-traço (–). 

O correto é usar o travessão (—), senão o designer que for diagramar seu livro terá que trocar todos, um por um. 

Aqui tem um tutorial excelente de como adicionar travessão no Word e no Google Docs (pois ele não está no teclado comum do computador).

A forma correta do travessão e do verbo dicendi no diálogo

Uma coisa que você precisa prestar atenção é a forma correta do diálogo. 

Se quiser, pode checar em qualquer livro de ficção o que descrevo abaixo. 

Por exemplo, muita gente escreve equivocadamente assim:

— Eu sei o que você está pensando. — Disse o menino.

Nesta frase acima, não vai ponto final após “pensando” e nem letra maiúscula após o travessão. O correto é assim:

— Eu sei o que você está pensando — disse o menino.

Talvez você esteja se perguntando: e se a frase continuasse? Então o correto seria:

— Eu sei o que você está pensando — disse o menino. — Juro, mãe, não peguei o dinheiro ali de cima.

É simples. Com a prática, você decora esta construção rapidinho.

Outra dica sobre diálogos é: se você resolver utilizar travessão, faça isso do início ao fim do texto. Ou se preferir aspas ou não marcar o que é diálogo e o que não é, procure sempre ter um padrão.

Se quiser ler mais sobre diálogos, escrevi um artigo com algumas dicas aqui!

“Se” e “me”

Com frequência, os textos que chegam até mim possuem uma confusão sobre a posição do “se” e do “me” em relação ao verbo.

Uma dica simples é: o “se” nunca deve estar no início de frase, a não ser em diálogos ou se representar uma condição (ex.: “se me fizer…”). 

O mesmo vale para o “me”, de forma que podemos lembrar do poema de Oswald de Andrade:

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.

Então, lembre-se, quando for em começo de frase ou após a vírgula, o “se” vai após a palavra. 

Se for no meio da frase, vai antes. Em diálogos, você também pode usar antes, como já mencionei.

Crase

O uso da crase é o grande terror de muita gente que escreve, mas costumo indicar um macete que facilita muito. 

É simples, sempre que você tiver um “a” isolado na frase, substitua a palavra que vem na sequência por uma palavra masculina. 

Se o “a” precisar virar um “ao” para a frase fazer sentido, então é por que vai crase ali (só se for antes de palavra feminina). 

Exemplo:

Fui a casa do José ontem.

Como saber se vai crase? Troque “casa” por uma palavra masculina.

Fui ao casebre do José ontem.

Precisou mudar o “a” para “ao”? Então vai crase e o correto fica:

Fui à casa do José ontem.

Só com este macete, você resolve quase todos os caso de crase.

Espaços duplos e triplos

Muita gente deixa espaços duplos e triplos no texto. 

Sem problema isso acontecer enquanto escreve, mas ao finalizar o texto, você precisa resolver e deixar a escrita o mais profissional possível. 

Sempre que acabar de escrever, recomendo que você dê uma busca por todo o arquivo (se for no Word ou no Google Docs, basta usar um ctrl+f no teclado) e encontre todos os espaços duplos e triplos e corrija-os. 

Ou utilize a ferramenta “localizar e substituir”, minimiza o trabalho.

Até mesmo se for mandar seus escritos para uma editora, fica mais profissional se você evitar esses erros. 

Dá uma ideia de que você é caprichoso com o seu texto.

Repetição dos verbos perigosos

Há alguns verbos que são perigosos, muito gastos, no português. Por isso, devemos evitá-los sempre que possível em nossa escrita. 

São eles: “sentia, tinha, havia e estava.” 

Em vez do personagem dizer: “eu estava comendo um hambúrguer”, diga simplesmente: “eu comia um hambúrguer”. Ou no lugar de “olhei para o horizonte, onde o sol estava declinando”, use: “olhei para o horizonte, onde o sol declinava.”

De novo, a dica: ao finalizar, dê uma busca no seu texto e, sempre que não comprometer o significado, elimine-os ou os substitua.

Repetição dos pronomes

Os pronomes também são cruéis em textos não finalizados. Com frequência, repetimo-os, sendo que na maioria das vezes são dispensáveis.

Os pronomes pessoais (eu, tu, ele, nós, vós, eles) podem ser cortados em diversos momentos, pois no português, temos o sujeito oculto a nosso favor. 

Por exemplo, na frase “Sem nenhum motivo, o ônibus em que eu estava resolveu…”, você pode cortar o “eu” que ela não perderá o sentido. 

Outra classe de pronomes repetida com frequência são os pronomes possessivos (meu, minha, meus, minhas, teu, tua, teus, tuas, seu, sua, seus, suas etc). 

Digamos que a frase seja: 

Depois de trocar minha camisa, fui pegar meu jipe para sair.

Se você tem no mesmo parágrafo 5 ou 6 frases assim, o texto fica carregado. Poderia ser simplesmente:  

Depois de trocar a camisa, peguei o jipe para sair.

Ou seja, a não ser que o pronome seja indispensável, use os artigos “o, a, os, as”.

Recomendo que você analise caso a caso por todo o arquivo. Isso também é trabalho do escritor.

“A” ou há”

É frequente alguns erros na utilização do “a” e do “há”. No entanto, gosto de dar uma dica simples para saber qual deles deve ser usado. 

Se na frase o “a” puder ser substituído por “faz” ou por “existe”, então deve ser substituído pelo “há”, pois o “há” sempre representa tempo ou espaço. 

Exemplo:

Lá em Florianópolis, há (existe) um forte que hoje serve de ponto turístico, mas há (faz) 300 anos, uma batalha aconteceu ali.

Verbos no passado e no presente 

Aqui vale outra vez a questão do padrão. 

Se você escolheu contar a história no presente, precisa ir do início ao fim desta forma. A não ser que em uma cena específica você mostre um flashback. Então nesta cena, você usa todos os verbos no passado.

É incorreto um narrador começar a contar a história no presente e depois passar para o passado. 

Exemplo de erro: 

Entro (presente) na câmara fria do açougue. A luz era (passado) opaca e me dava (passado) medo.

Ou você trabalha com todos os verbos no presente ou todos no passado. 

Tamanho de parágrafos e frases

Esta aqui depende bastante da sua proposta. 

Mas se você se preocupa com o leitor, saiba que muitos parágrafos grandes na narração podem cansá-lo. O ideal é alternar os tamanhos de parágrafos (principalmente no começo). 

Por exemplo, um parágrafo de uma linha, depois um de cinco, em seguida um de oito e assim por diante. 

Isso ajuda no ritmo da leitura, quebrando a aparência monótona. 

Também procure encurtar as frases. Muitas das vezes, você está gastando palavras demais para dizer coisas que poderiam ser expressadas com menos.

***

Considerações finais

Há quem reclame que os editores esperam cada vez mais os textos prontos dos escritores, mas eu acho questões como as que coloquei acima o mínimo a ser feito.

Ainda assim, muitos iniciantes não fazem nem ideia dessas questões.

Por isso, se você aprender e dominar os erros de escritores mais corrigidos, terá uma grande vantagem.

Para finalizar, vou deixar mais 3 indicações de leitura, caso você queira continuar se aprimorando na revisão e lapidação do seu texto:

Deixe nos comentários se este artigo foi útil para você. E aproveite para me contar quais os erros de escritores mais corrigidos que você comete!

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 Replies to “Os 10 erros de escritores mais corrigidos — Veja quais você comete”

ALESSANDRO MATHERA

Boa tarde!
Rapaz, você não faz ideia de como erram isso tudo!
Só de lembrar o que já vi, as tripas dão nó!

João Carlos Marcuschi

Tuas dicas sempre facilitam minha vida. Muito grato Vilto.

Vilto Reis

Haha. Obrigadão, seu João!

Kléber Doug

Ótimas dicas, Vilto! Os nossos erros como iniciantes sempre acabam sendo esses q

Kléber Doug

Encaminhei comentário anterior sem querer. Pode apagar por favor, Vilto! Gostei muito das suas dicas sobre os erros na escrita. Alguns dos que você apontou eu tinha muita dúvida mesmo. Esses conteúdos rápidos e explicativos são sempre muito importantes para nós escritores iniciantes, pois são muito esclarecedores.

Divina Maria

São Dicas ótimas. E melhor, o conteúdo é explicado de uma forma
clara. Muito grata!!!

Vilto Reis

O objetivo é que seja o mais didático possível, Divina.