15 Escritores e suas bebidas favoritas

Publicado por Vilto Reis em

Escritores e suas bebidas favoritas — pronto para saber mais?

Para ser claro: beber em excesso não fará de você um bom escritor. 

Por isso, o objetivo deste artigo é só um: mostrar o que alguns dos grandes escritores da história amavam beber.

Não é um incentivo. Afinal de contas, você deve avaliar suas condições psicológicas e sociais de lidar com o álcool.

Este artigo é só para matar a curiosidade.

E sempre é bom lembrar: se beber, não escreva. Brincadeira. Se beber, não dirija.

Vamos à lista de 15 Escritores e suas bebidas favoritas: 

15) Ian Fleming, Vesper Martini

Fleming, o criador de James Bond, era jornalista antes de ingressar na Inteligência Militar. Há rumores de que ele bebeu gim até que seu médico o aconselhou a mudar para o bourbon, pois poderia ser melhor para sua saúde.

“Prefiro morrer da bebida do que de sede.”

14) Oscar Wilde, champanhe gelado

O escritor e poeta irlandês adorava tanto champanhe que exigia mesmo enquanto estava preso (que moral, não acha?).

“Fiz uma importante descoberta… que o álcool, tomado em quantidades suficientes, produz todo o efeito da intoxicação.”

13) Stephen King, cerveja

O lendário escritor de ficção bebeu tanto nos anos 80 que mal se lembra de ter escrito It: A coisa . A família de Stephen King (veja dicas de escrita dele aqui) imediatamente organizou uma intervenção após a publicação do romance.

“Eu sempre bebi, desde quando era legal beber para mim. E nunca houve um tempo para mim em que o objetivo não fosse beber o máximo possível. Nunca entendi beber socialmente, isso sempre me pareceu como querer beijar sua irmã.”

12) Carson McCullers, Sherry

Pode parecer discreta, mas a escritora conhecida por O coração é um caçador solitário sempre bebia seu chá quente e xerez de uma garrafa térmica.

“Depois da música, a cerveja era o melhor.”
– Do livro O coração é um caçador solitário

11) Truman Capote, “bebida de laranja”

O autor de À sangue frio lutou contra o álcool e as drogas durante a maior parte de seus últimos dias. Capote se referiu ao suco de laranja e à vodka como sua “bebida de laranja”.

“Sou alcoólatra. Sou viciado em drogas. Sou homossexual. Sou um gênio.”

10) Jean Stafford, Vinho

A escritora californiana de pulp fictions era conhecida por uma vida pessoal conturbada, mas escreveu excelente ficção em obras como The Collected Stories, The Mountain Lion e Boston Adventure.

“Ela queria que eles fossem juntos a algum bar irremediavelmente irreconhecível e se consolassem da maneira mais grosseira durante uma longa sucessão de bebidas poderosas de uísque, para comparar suas doenças, para se casar com suas almas inválidas por essas poucas horas de dolorosa comunhão, e balbuciar de êxtase que finalmente estavam, por um tempo, não muito longo sozinhos.”
The Collected Stories of Jean Stafford

9) Dorothy Parker, Whiskey Sour

Parker era conhecida por suas tendências de bebida e suicídio, mas ficou realmente lembrada por ser uma das escritoras mais talentosas de poesia, prosa e roteiro.

“Eu gostaria de poder beber como uma dama
Eu posso beber uma ou duas no máximo
Três e estou debaixo da mesa
Quatro e estou sob o anfitrião. “

8) William Faulkner, Mint Juleps

O vencedor do Prêmio Nobel foi um dos poucos escritores a admitir que beber não alimentou seu processo criativo. Faulkner simplesmente usou o álcool como uma “válvula de escape” das pressões da vida.

“Não existe uísque ruim. Alguns uísques são melhores que outros. Mas um homem não deve brincar de beber até completar cinquenta anos; então ele é um idiota se não o fizer.”

7) F. Scott Fitzgerald, Gin

Fitzgerald se tornou um bebedor pesado na faculdade. E quando sua saúde começou a declinar, ele continuou a beber gin porque não podia ser detectado em seu hálito (segundo ele).

“Não quero repetir minha inocência. Quero o prazer de perdê-la novamente.”
Este lado do paraíso

6) Jack Kerouac, Margaritas

O escritor beat teve muitas excursões pobres, bêbadas e de carona no México, onde alimentou seu amor pelo álcool com margaritas. Aos 47 anos, Kerouac morreu de insuficiência hepática.

“O que você quer da vida?”, eu perguntei e costumava perguntar isso o tempo todo para as meninas.
“Eu não sei”, disse ela. “Apenas espere nas mesas e tente se dar bem.” Ela bocejou. Coloquei a mão sobre a boca e disse-lhe para não bocejar. Tentei dizer a ela o quanto eu estava animado com a vida e as coisas que poderíamos fazer juntos; dizendo isso e planejando sair de Denver em dois dias. Ela se virou cansada. Ficamos de costas, olhando o teto e imaginando o que Deus havia feito quando tornou a vida tão triste.”
On the road

5. Edna St. Vincent Millay, Rum Sidecars

A vencedora do prêmio Pulitzer de poesia e dramaturga era conhecida por seu ativismo feminista e sua atitude extravagante em relação à escrita, além dos seus hábitos de bebida.

“Bebi em cada videira. A última foi como a primeira. Não encontrei vinho. Tão maravilhoso quanto a sede.”
– Feast

4) Hunter S. Thompson, Wild Turkey

Originalmente de Kentucky, não é surpresa que a bebida favorita de Thompson fosse uísque. O Wild Turkey fazia companhia ao Chivas Regal Scotch, ao Bloody Mary’s e ao gin, juntamente com gramas ocasionais de cocaína e medicamentos prescritos na “dieta” do escritor.

“Isso me deu uma sensação estranha e, durante o resto da noite não falei muito, apenas fiquei sentado ali e bebi, tentando decidir se eu estava ficando mais velho e mais sábio ou simplesmente velho”.
Rum — Diário de um jornalista bêbado

3) Edgar Allan Poe, conhaque

O lendário escritor, editor e poeta do Movimento Romântico Americano supostamente misturou suas bebidas com opiáceos. Ele morreu tragicamente aos 40 anos. Sua causa da morte ainda é desconhecida, mas é considerada a possibilidade de ter acontecido em consequência de álcool, drogas, doenças cardíacas, raiva, suicídio, entre muitas outras teorias.

“Não tenho absolutamente nenhum prazer nos estimulantes com que às vezes me entrego com tanta loucura. Não foi na busca do prazer que arrisquei a vida, a reputação e a razão. Foi a tentativa desesperada de escapar de torturas de memórias, de uma sensação de solidão insuportável e de um pavor de algum destino iminente estranho.”

2) Ernest Hemingway, Mimosas

Touradas, boxe, caça desportiva, pesca e vários prêmios, o Papa viveu e bebeu muito. Quando seu querido amigo F. Scott Fitzgerald escreveu um livro de memórias confessando seu declínio criativo, o Papa simplesmente disse a ele: “jogue suas bolas no mar – se você tiver alguma bola sobrando”.

“Não se preocupe com igrejas, prédios do governo ou praças da cidade. Se você quer conhecer uma cultura, passe uma noite em seus bares. ”

1) Charles Bukowski, Boilermakers (ou cerveja com uma dose de uísque)

Ao longo dos romances semi-autobiográficos de Bukowski, seu alter-ego Henry Chinaski bebe qualquer coisa em que possa colocar as mãos. E durante sua vida, o escritor geralmente podia ser encontrado jogando doses de uísque no copo de cerveja. E bebendo. Bebendo muito.

“Beber é uma coisa emocional. Isso tira você do padrão da vida cotidiana, no qual tudo é igual. Isso o tira do seu corpo e da sua mente e o joga contra a parede. Tenho a sensação de que beber é um forma de suicídio em que você pode voltar à vida e começar de novo. É como se matar e depois renascer. Acho que já vivi cerca de dez ou quinze mil vidas agora. “
– Entrevista à London Magazine, 1975

***

Gostou da lista de escritores e suas bebidas favoritas?

E aí, com qual dessas lendas você gostaria de se sentar  em um bar?

Artigo traduzido e adaptado do site BuzzFeed.

Conheça este curso:

   

2 comentários

ALESSANDRO MATHERA · 11 de outubro de 2019 às 7:56 pm

Lembrei de mim mesmo quando revisaram meu primeiro conto para publicação!
Tinha um erro tão crasso que só os quatro cálices de vinho do Porto bebidos na ocasião que escrevi para explicar tal coisa!

    Vilto Reis · 17 de outubro de 2019 às 1:50 pm

    Hahaha. Ri muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.