fbpx

Artigos

A diferença entre voz e estilo do escritor

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 30 de setembro de 2020
A diferença entre voz e estilo do escritor
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Se você está escrevendo e estudando ficção, talvez tenha se deparado com a preocupação com seu “estilo do escritor.”

Ao ler outro texto, no entanto, encontrou a expressão “voz do escritor.”

Será que as duas são a mesma coisa?

Não. Certamente, não são.

É possível até que você tenha um deles bem desenvolvido em sua escrita e o outro não.

Portanto, continue lendo este artigo para aprender e evoluir na escrita, entendendo:

  • O que é a voz do escritor?
  • Como descobrir sua voz do escritor?
  • Fernando Pessoa: o caso do escritor de várias vozes
  • E o que é “estilo do escritor”?
  • Por que e como desenvolver seu “estilo do escritor”?
  • Um escritor pode mudar de voz ou estilo?

O que é a voz do escritor?

Você certamente ouviu falar da ironia machadiana, certo? Ou viu alguém qualificar alguma situação como kafkaniana ou maquiavélica?

Estes adjetivos vêm, obviamente, do nome de certos escritores.

Entretanto, há muito mais aí.

Afinal de contas, o que esses escritores têm em comum é uma “voz forte”.

Tudo bem, mas então o que é a “voz do escritor”?

Basicamente, eu diria que é algo que advém da personalidade dele.

Ou seja, o estilo narrativo do Kafka expressa muito de sua voz, de forma que essa “voz” foi assimilada na cultura popular e hoje serve de adjetivação.

Em resumo, a “voz do escritor” é a personalidade dele fluindo por meio de sua escrita.

Como descobrir sua voz do escritor?

Para ser bem direto, aconselho a desistir da ideia de “descobrir sua voz”. 

Porque à medida que você for escrevendo, cada vez mais, sua voz aparecerá na escrita. E, talvez, o que há de melhor para acelerar este processo seja fazer terapia.

E se você é daqueles que acha terapia uma besteira, saiba que até hoje não conheci nenhuma outra forma tão efetiva de autoconhecimento.

Para escrever bem, é preciso se autoconhecer. Uma coisa está conectada à outra.

Descoberta a sua voz — que é uma outra forma para dizer que sua personalidade está presente em sua escrita sem parecer uma coisa forçada —, talvez você possa até expressar outras personalidades.

O exemplo mais famoso é Fernando Pessoa.

Fernando Pessoa: o caso do escritor de várias vozes

As várias vozes de Fernando Pessoa (autor da ilustração: desconhecido)

O poeta português Fernando Pessoa foi além de dar vazão à sua própria voz.

Criou heterônimos, como se fossem personalidades de outras pessoas, e publicou poemas em nome desses “outros indivíduos.”

Veja só as diferenças nas vozes dos heterônimos:

  • Alberto Caeiro revela simplicidade, valorizando a natureza e o sentir em relação ao pensar;
  • Ricardo Reis é erudito e prefere o que é clássico, tendo-o como superior à modernidade;
  • Álvaro de Campos dá valor à modernidade, embora seja um pessimista, pois o tempo presente o angustia;
  • Bernardo de Campos é considerado um semi-heterônimo de Fernando Pessoa, pois sua personalidade é muito semelhante à de seu autor.

Com cada um deles, Fernando Pessoa escreveu poemas e publicou, como disse acima, emulando suas vozes.

Incrível, não?

Se quiser ler um livro interessante, indico O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago, uma história onde o heterônimo descobre que seu autor morreu.

Mas então…

E o que é “estilo do escritor”?

Em minha opinião, o estilo é algo bem mais simples de entender.

Estilo nada mais é do que as escolhas conscientes que o escritor faz da forma que utilizará em sua escrita.

Pegue o primeiro romance de escritores conhecidos por seu estilo, como Clarice Lispector e José Saramago, e verá o que quero dizer.

Não se nasce com um estilo, constrói-se.

Quando você decide: se vai marcar os diálogos com travessão ou aspas, se seus parágrafos serão longos ou curtos, se vai utilizar uma linguagem acessível ou erudita; está escolhendo seu estilo.

Pense no estilo deste texto que você lê. 

É composto de frases curtas, afirmativas, o mais evidentes possível. É um estilo que preza por ser didático.

Não é assim, porém, que escrevo a minha literatura.

Ao trabalhar em um conto ou romance, por mais que também procure ser bem transparente na escrita, faço variações maiores dos tamanhos dos parágrafos, assim como procuro utilizar verbos não tão usuais e produzir diálogos com falas curtas.

Este é o meu estilo. 

É por isso que estilo pode ser copiado, mas voz, não.

Por que e como desenvolver seu “estilo do escritor”?

Desenvolver seu estilo é importante para que seu texto tenha um padrão.

Pelo menos, dentro do mesmo livro.

Não existe nada pior do que ler um texto que ora os diálogos têm travessão, ora aspas; os pensamentos dos personagens ora recebem itálico, ora não; a idade às vezes está escrita por extenso e outras vezes em numeral; etc. 

Minha dica para você construir seu estilo é pensar em que público almeja atingir com sua escrita.

  • Se deseja ter muitos leitores, escreva da forma mais acessível possível, sem muitos arabescos no texto, procurando ser direto e transparente;
  • Já se prefere ter uma obra que concorra aos prêmios da dita “alta literatura” (um termo bem idiota do mercado), então valorize a erudição e a linguagem opaca.

Tudo é uma questão de escolha e proposta. Não existe pior ou melhor na escolha, somente na execução que pode ser bem ou mal feita.

Um escritor pode mudar de voz ou estilo?

Mudar de voz é algo bem difícil. Afinal de contas, é como se você construísse uma nova personalidade para você.

Não digo que é impossível, mas um psicólogo estaria mais apto a responder esta pergunta do que eu.

Com relação a mudança de estilo, é mais simples. 

Muitas das vezes, quando um escritor muda de gênero de histórias (do realismo para a fantasia, por exemplo), ele acaba mudando de estilo. 

Até mesmo um escritor que escreve em diferentes gêneros literários, muda seu estilo. O João Ubaldo Ribeiro em Um brasileiro em Berlim (crônicas) é muito diferente de em Viva o povo brasileiro (romance).

E tudo bem, faz parte mudar de estilo. Só mantenha o mesmo padrão dentro do livro.

Se bem que para toda a regra, há uma exceção.

Caso seja um livro narrado com diferentes pontos de vista, seja em primeira pessoa ou na falsa terceira pessoa, provavelmente cada capítulo terá algumas diferenças de estilo conforme o personagem focalizado. 

Narrador, Ponto de Vista e Foco Narrativo: Entenda de uma vez por todas o que são e como usar

***

Conclusão

A melhor forma de tornar sua voz cada vez mais evidente no texto e descobrir seu estilo é estudando.

Seja lendo livros de ficção e manuais de escrita ou fazendo um curso para escrever melhor (tal qual o COMO ESCREVER CONTOS).

Mas estes são assuntos que o escritor deve dominar.

Portanto, bora trabalhar?

Se gostou, compartilhe este artigo com mais alguém e deixe seu comentário!

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Replies to “A diferença entre voz e estilo do escritor”

Caetano Martins Fernandes

Muito bom e instrutivo. Obrigado.

Vilto Reis

Obrigado, meu amigo!

João Carlos Marcuschi

Sensacional! Escutei o timbre, Vilto, sua personalidade se lança envolvendo-nos, leitores e alunos, como música; voz do mestre que sintetiza a essência do assunto. Ficou tudo muito bem esclarecido para mim. Eventualmente, até posso desconhecer a melodia dos seus textos, o timbre, porém, é inconfundível. Que voz!
Abraços.

Vilto Reis

Obrigado, João. Espero que este texto possa ressoar por muito tempo em você 😉