fbpx

Artigos

Como criar mitologia para histórias de fantasia e ficção científica

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis
Como criar mitologia para histórias de fantasia e ficção científica
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

A maioria dos escritores provavelmente não aprecia o suficiente o impacto que a mitologia tem em nossa narrativa moderna. Não importa em que gênero você escreve, a mitologia desempenhou algum papel em moldá-lo, mesmo que você não perceba.

Ela remonta aos tempos antigos, antes mesmo da linguagem escrita ser inventada, quando os mitos formaram as primeiras histórias contadas em torno de fogueiras. Cada um dos tipos básicos de histórias listados em The Seven Basic Plots, de Christopher Booker, pode traçar sua origem até os mitos antigos de alguma forma. A Odisseia de Homero é uma história literal de ‘viagem e retorno’. A maioria das lendas arturianas se concentra em um cavaleiro saindo em uma missão e retornando a Camelot para receber sua recompensa. Em certo sentido, ainda estamos nos adaptando e construindo sobre as histórias inventadas por nossos ancestrais.

Mas a mitologia faz muito mais do que apenas histórias inspiradoras. Também dá aos livros mais substância e expande os mundos ficcionais da ficção especulativa.

Por que a mitologia nas histórias é importante

Exemplo clássico de mitologia, esta imagem apresenta um deus vestido em trajes reais, de rosto negro e portando uma capa, pisando na terra. Ele é gigante em relação às montanhas ao redor.
“Storm gods”, por Edward Denton, via Artstation.

Os mitos inspiraram muito mais do que apenas histórias. Eles influenciaram tudo, dos nomes que damos aos planetas à moral que passamos para as crianças.

Faz sentido que, uma vez que a mitologia compõe uma parte importante da nossa cultura do mundo real, também deve ser uma parte importante da construção do mundo ou da escrita de ficção. Adicionar uma mitologia fictícia torna um mundo criado mais crível e torna uma história fictícia em um cenário do mundo real mais realista.

Outros gêneros não dependem tanto dele, especialmente a ficção contemporânea, mas também pode ser útil neste tipo de narrativa. Histórias antigas que resistem ao teste do tempo podem fornecer sugestões ou inspiração para escrever. 

Adaptações modernas de antigos contos de fadas ou lendas folclóricas podem ter sido feitas em profusão, mas ainda há muitas ideias originais que você pode obter deles, principalmente se você escolher uma história que não seja tão conhecida. The Golem and the Jinni fez isso bem ao pegar duas criaturas mitológicas completamente não relacionadas e menos vistas e colocá-las juntas no final do século XIX em Nova York.

A mitologia provavelmente é ainda mais importante na ficção científica do que na fantasia. Uma história ocorrendo em vários planetas significa que haverá ainda mais culturas com suas próprias mitologias para explorar, e ainda mais elementos que moldaram e influenciaram o mundo e as espécies que o habitam. Se uma povo alienígena parece sem graça ou irreal, pode ser porque eles não têm nenhuma mitologia ou senso de história.

Bons e maus exemplos

“The Wishsongs of Shannara”, por Marc Simonetti, via Artstation.

A série Shannara, de Terry Brook, é um exemplo de mitologia mal tratada. O mundo nesta série tem uma história interessante; não é um mundo de fantasia de faz de conta, mas um futuro pós-apocalíptico de nosso próprio mundo em que a sociedade se transformou em vida pré-moderna.

No entanto, o autor não vai tão longe quanto possível com esse conceito. Ele, por exemplo, poderia ter feito com que as histórias modernas se tornassem parte da mitologia pós-apocalíptica, alteradas ligeiramente para mostrar como as histórias mudam à medida que são recontadas ao longo de gerações.

O Senhor dos Anéis seria um bom exemplo, provavelmente porque Tolkien estudou extensivamente a mitologia e entendeu como ela funcionava. Na verdade, ele escreveu suas histórias da Terra Média para dar à Inglaterra sua própria mitologia para rivalizar com os mitos gregos ou romanos. Não apenas seus trabalhos são fortemente inspirados por muitas obras diferentes da mitologia, eles têm seus próprios conjuntos de lendas para expandir o mundo, o que faz a Terra Média parecer incrivelmente velha. Já existem eventos históricos tão antigos que se tornaram mitos. Há estátuas meio desintegradas no chão. Os personagens cantam canções e contam uns aos outros histórias do folclore de sua própria raça. Tudo isso faz parte do que faz a Terra Média parecer tão real e convidativa, e uma das principais razões pelas quais seus livros são tão amados e influentes décadas depois de terem sido escritos.

Como trabalhar a mitologia em sua escrita

Sob uma plataforma de pedra, um ser de cabelo longo é visto de costas observando à distância a chegada do que parecem naves espaciais. Raças de outros mundos compõem histórias de mitologia.
“Arrival of Gods”, por Eren ARIK, via Artstation.

Na ficção especulativa, a mitologia não precisa estar na vanguarda do seu mundo de faz de conta, mas deve ser pelo menos parcialmente importante de alguma forma.

Há muitas maneiras criativas de trabalhar com isso:

  • Uma lenda antiga pode ter uma pista para a missão do personagem principal ou motivar o herói quando ele precisar.
  • Descobrir que um mito é realmente verdade.
  • Resolvendo o mistério de uma velha história.
  • Descobrindo ruínas antigas.
  • Personagens contando histórias de suas terras natais uns para os outros.

Histórias ambientadas em um futuro distante podem se beneficiar muito de ter sua própria mitologia, talvez até usando histórias modernas ou figuras da vida real distorcidas ao longo do tempo para se tornarem lendas. Isso pode realmente ajudar a dar ao cenário futurista uma sensação de lugar e tempo e, assim, tornar o cenário mais crível.

Mesmo na ficção contemporânea, a mitologia pode ser usada com grande efeito. O conto de fadas favorito do seu personagem principal ou a história que ele mais amava na infância pode dizer muito sobre ele e pode ter influenciado sua personalidade ou caráter moral. Ou a história favorita do seu personagem pode dar a ele inspiração quando precisar, assim como acontece conosco na vida real.

Não importa o gênero que você está escrevendo, a maneira como você expõe esses mitos será importante. Se for um mito amplamente conhecido, como Hércules ou Rei Arthur, os leitores precisarão de pouca ou nenhuma explicação, já que eles são parte integrante de nossa cultura, de modo que a maioria das pessoas pelo menos conhece o básico sobre eles. Se você escolher uma história ou figura que não seja tão conhecida, precisará de alguma exposição, desde que não exagere.

Escrevendo sua própria mitologia

Um guerreiro viking desmontado, portando escudo e machado, puxa um cavalo pela rédea. No horizonte, vê-se duas estátuas de guerreiros de pedra como uma passagem entre eles. Qual mito esta mitologia pode inspirar?
“Viking Door”, por Juan Novelletto, via Artstation.

Se você está escrevendo uma história de ficção especulativa, uma das melhores partes da construção do mundo não é apenas criar o mundo de sua história, mas também inventar um conjunto inteiramente novo de mitos e lendas para quantas raças ou culturas existam no mundo do seu livro. Essencialmente, você pode escrever histórias dentro de histórias.

Mas não é tão simples como parece. Principalmente quando você está colocando tanto tempo e energia na construção da história principal. Por isso, tantos autores pulam esta parte e deixam seu mundo ficcional vazio.

Isso não significa que você tenha que gastar horas nele ou dedicar páginas de exposição para explicar esses mitos. Mas quanto mais atenção você der à construção do mundo, mais realista e tangível seu mundo ficcional parecerá, especialmente se você der atenção à sua mitologia.

A exposição de mitos fictícios deve ser feita como no exemplo dado acima – somente quando for necessário e sem exagerar. Um capítulo inteiro de personagens sentados ao redor de uma fogueira e contando histórias pode proporcionar um momento importante de construção de personagens e relacionamentos, mas as histórias que eles contam devem se tornar relevantes em algum momento da história.

Mas como exatamente você escreve mitologia em um mundo que já é fantástico? Assim como na maioria das outras partes da construção de mundos, pegar pistas de mitologias do mundo real é um excelente ponto de partida.

Isso vai muito além de copiar e colar os mitos gregos ou romanos e mudar os nomes ao redor. Significa olhar para os tipos de histórias e personagens que compõem a mitologia e seu significado no mundo real.

Para criar seus próprios mitos, faça a si mesmo estas perguntas:

  • O que é o mito da criação?
  • Existe um panteão de deuses ou apenas um?
  • Quem são as figuras-chave e os heróis inspiradores dessas histórias?
  • Quais são as constelações do seu mundo?
  • O que eles acham que causa fenômenos como a Aurora Boreal?
  • Qual o papel da magia nesses mitos?
  • Existem pessoas que ainda cultuam o panteão mitológico, como fazem os neopagãos?

Não tire suas pistas apenas dos mitos mais populares. Procure mitologias ou histórias menos comuns que não são comentadas com tanta frequência fora de suas próprias culturas, como a mitologia aborígine ou o Kalevala finlandês. Raças de fantasia, como elfos e anões, derivam da mitologia européia, mas raças inspiradas em mitos de outros continentes seriam totalmente diferentes e muito mais originais e criativas.

Novamente, como os mitos reais, os mitos fictícios podem seguir regras diferentes. Nossos próprios mitos geralmente incluem magia ou intervenção divina direta que não existe na realidade, então seus mitos fictícios também podem distorcer as regras do universo que você está criando. Você pode até transformar isso em um ponto da trama, como personagens descobrindo que a magia em suas histórias antigas não é fictícia como eles pensavam anteriormente.

Escrever mitologia em uma história, especialmente uma obra de ficção especulativa, pode ser uma dor de cabeça, mas será uma das peças mais valiosas de construção de mundo e caracterização em toda a sua história. Você pode ficar tão fascinado em escrever a mitologia do seu mundo fictício quanto em criar o mundo e a história em si, ou encontrar-se com um conjunto de mitologia que você nunca conheceu para se inspirar.

Leia também:

***

Gostou do artigo? Tem mais alguma consideração sobre escrever mitologia para histórias de fantasia e ficção científica?

Não deixe de participar desta discussão nos comentários!

***

Texto traduzido e adaptado do site Refiction.

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado.