fbpx

Artigos

Mudança de pontos de vista na escrita — Cuidado!

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis
Mudança de pontos de vista na escrita — Cuidado!
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

A história deve vir com muitos pontos de vista ou apenas de um personagem? 

“Qual personagem conta a história?” Essa é uma pergunta crucial sobre o personagem que os escritores devem se fazer nos estágios de planejamento de qualquer narrativa. Geralmente, ela é seguida por “a história deve vir do ponto de vista de um personagem ou de mais de um?” Uma pergunta complicada, porque incorporar vários pontos de vista pode ser um pouco como fazer malabarismo com pratos. Cada personagem é lançado ao ar por um breve tempo, destacado, depois outro toma seu lugar. Quando bem manuseada, esta técnica pode ser extremamente eficaz e fluida. Quando mal realizada, pode terminar em desastre (pratos caindo no chão).

No entanto, se dois fatores importantes forem considerados, os resultados podem ser bem sucedidos.

Mudança de pontos de vista na escrita — Cuidado!

1) O fator de “transição”

Se não for feito com cuidado, pular para frente e para trás entre os pontos de vista dos personagens (especialmente na mesma cena!) pode se tornar chocante. 

Certa vez, li um romance que oferecia o ponto de vista de um personagem nos primeiros capítulos. Como leitor, me acomodei para conhecer os pensamentos desse personagem, me acostumei com a forma como sua mente funcionava. Então… o telefone tocou. O personagem pegou o fone e recebeu uma notícia trágica. E quando ele desligou, BOOM! O leitor foi subitamente empurrado para a mente do outro personagem (do outro lado da linha). 

Ahn?

Não houve absolutamente nenhuma transição, nenhum indício de que o ponto de vista estava prestes a mudar de forma significativa. Na verdade, foi tão chocante que tive que reler o parágrafo algumas vezes para entender. 

Pior ainda, fiquei me perguntando como o outro personagem — aquele com quem passei tanto tempo — estava reagindo naquele exato momento. Eu queria voltar ao ponto de vista do personagem principal novamente. Investi todas essas horas com ele e não me importei com esse novo personagem, esse completo estranho. Me senti frustrado, enganado. Tão enganado, na verdade, que parei de ler completamente. Eu sabia que se o autor usou essa técnica confusa uma vez, provavelmente a usaria novamente.

Por outro lado, o romance de Elin Hilderbrand é um forte exemplo de como vários pontos de vista podem melhorar uma história. Em The Island, a Sra. Hilderbrand primeiro permite que os leitores vejam o ponto de vista de um personagem. Então, quando conhecemos bem esse personagem, o ponto de vista muda para um personagem diferente. Mas… é feito com tanta facilidade que parece natural. 

Para evitar qualquer confusão, o autor faz uma pausa completa no texto e, em seguida, oferece o nome do próximo personagem como título do capítulo. O leitor está totalmente preparado para a mudança antes que ela ocorra.

Leia também:

2) O fator “intimidade”

Se um leitor gasta apenas breves fragmentos de tempo com vários personagens diferentes (em vez de longos períodos de tempo com apenas um personagem), é lógico que o leitor acaba conhecendo vários personagens ligeiramente, em vez de intimamente.

Vou usar a televisão como exemplo. Dois dos meus programas de TV favoritos dos anos 80 usavam uma sensação de “conjunto” como veículo para contar histórias. Um era o extremamente popular Plantão médico , e o outro era o não tão popular Thirtysomething.

Para mim, Plantão médico não teve tanto sucesso quanto Thirtysomething em termos de familiarizar o público intimamente com os personagens principais. Embora os episódios da série médica tenham conseguido apresentar um desenvolvimento substantivo dos personagens, eles o fizeram em rajadas rápidas (geralmente espalhadas entre casos médicos contendo personagens que nunca mais veríamos). É verdade que o ritmo acelerado e o conteúdo de Plantão médico não se prestam a uma caracterização tão profunda quanto outros programas. Mas ainda me deixou querendo mais.

Em contraste, Thirtysomething incorporou uma técnica que se tornou altamente eficaz. Em vez de ter todos os personagens do elenco fazendo breves aparições em cada episódio — bem como Plantão médico fez —, os escritores normalmente dedicavam um episódio inteiro a apenas um ou dois personagens. E durante esses cinquenta minutos, o público se familiarizou com eles, simplesmente passando mais tempo em sua presença. 

Pudemos ver Eliot lutando em seu trabalho, depois em casa, lutando em seu casamento. Ou Melissa, lidando com a vida de solteira, bem como com sua carreira fracassada. 

O foco dos espectadores não foi dividido por outros personagens (ou histórias de distração) durante esse episódio em particular. Então, fomos capazes de conhecer intimamente esses personagens principais. 

Assim, sempre que o os outros indivíduos se reunissem em uma cena, conhecíamos cada personagem tão bem que a dinâmica entre eles estalava com energia e tensão.

***

No final, ao decidir usar vários pontos de vista, leve sua história em consideração. O enredo e os personagens seriam mais bem servidos usando vários pontos de vista ou um único? 

Em seguida, estude a técnica. 

Leia romances que lidam com vários pontos de vista e aprenda com eles (tanto onde a técnica é bem-sucedida quanto onde ela falha. Há muito a ganhar observando o que não funciona).

Seja qual for sua decisão, estar ciente dos sucessos e armadilhas do uso de vários pontos de vista pode expandir suas opções de escrita. E isso é ótimo!

***

Gostou deste artigo? Qual a sua opinião? Você prefere histórias com vários pontos de vista ou apenas um?

Continue esta discussão nos comentários!

***

Artigo traduzido e adaptado do site Writer’s Digest.

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 Replies to “Mudança de pontos de vista na escrita — Cuidado!”

Salete Ribeiro.

Eu concordo. Não é é nada agradável ter ler e reler ao invés de dar prosseguimento na leitura. Quando estou levando coisas parecidas, eu costumo reler e as vezes anotar o nome de quem é quem, como nome apelidos e o tipo de trabalho e moradia dos personagens. Depois eu consigo ler normalmente e entendo bem.

Vilto Reis

É uma boa estratégia, Salete. Obrigado por comentar!

Deolie_m

Eu deixei de ler o livro “A turma” de uma que só lembro do último nome ” Grosso” o problemas não era nem os seis pontos de vista, achei estranho mais queria dar uma oportunidade, mas a historia a cada capitulo me deixava confusa, as 5 protagonistas amigas narradoras que gostavam do mesmo garoto e o enredo parecia preso a isso, epha foi tão confuso que explocar não é diferente. Resumindo abandonei o livro. Escolhendo? Prefiro apenas dois pov quando bem feito mergulho na leitura.

Deolie_m

*Explicar. Corrigindo a palavra acima.