fbpx

Artigos

PUBLICAR UM LIVRO — 6 Formas dos escritores chegarem aos leitores

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 15 de setembro de 2021
PUBLICAR UM LIVRO — 6 Formas dos escritores chegarem aos leitores
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Este é um guia rápido e prático de todos os caminhos que você pode tomar para publicar um livro.

Provavelmente, você está pensando em escrever um livro, porém se pergunta: mas o que vou fazer depois de tê-lo escrito?

Ou até estudou e fez cursos de escrita, planejou a obra, escreveu, passou meses desenvolvendo a história, e agora? Como irá publicá-la? 

É possível até que você tenha publicado um ou mais livros por um meio, no entanto, acredita que chegou o momento de pensar em uma nova forma. 

Em qualquer um dos três casos, este artigo é para você.

Se está habituado ao mercado literário, vai encontrar muitas ideias conhecidas neste artigo, mas sempre pode agregar algo mais ao seu entendimento. Se ainda não conhece, este é o guia que você precisa.

Continue lendo este artigo para descobrir para conhecer os 6 caminhos que escritores podem tomar para chegar ao público.

As 6 formas de publicar um livro e se tornar um escritor publicado

Mulher lendo sentada em uma pilha de livros na rua (quem sabe pensando em publicar um livro?).
Foto por Clay Banks via Unsplash

É provável que você tenha se surpreendido ao ver o título deste tópico. 

6 formas?

Pois é. O mercado literário evoluiu com o passar do tempo e as opções aumentaram. O que não quer dizer que seja fácil publicar. 

Há mais oportunidades, porém isso não significa que seu livro chegará nas mãos dos leitores (mas este já é um outro papo).

Vamos abordar as 6 formas de publicação, explicando brevemente e citando prós e contras, ok?

Vamos lá:

1) Editora tradicional

É aquela editora que não cobra nada do autor antes de publicar. 

Neste formato de publicação, a editora recebe o original do autor (seja por meio de agente literário, formulário do site ou temporada de recebimentos), avalia e decide se irá publicar.

Caso seja positiva a resposta, ela assina um contrato com o autor. O escritor receberá, em média, 10% do valor do preço de capa do livro. Pouco? Sim, também acho, mas por outro lado, a editora assume todos os riscos.

No caso de autores consagrados, estas editoras costumam até pagar adiantado os direitos autorais para garantir os contratos. 

Contudo, não é hora de pensar nisso agora. Se um dia acontecer, maravilha! Do contrário, mantenha os pés no chão.

Até porque não é fácil ser publicado nessas editoras. Ainda mais se você for um autor iniciante, pois elas preferem apostar naqueles que darão retorno de vendas garantido.

Se você for um iniciante, a dica é estar atento à temporada de recebimentos. É um período do ano em que algumas editoras (nem todas) abrem para receber livros inéditos para publicação.

Prós:

  • A editora assume todos os riscos;
  • Faz capa, diagramação, revisão, leitura crítica, marketing etc;
  • Cuida do estoque e da distribuição.

Contras:

  • Baixo retorno financeiro ao autor;
  • Pouca autonomia para o autor decidir detalhes como capa do seu livro;
  • Dificuldade de chegar até essas editoras.

2) Editora de autopublicação

Diferente da editora tradicional, neste modelo, você custeia a publicação.

Ou seja, a editora providencia a revisão, leitura crítica, diagramação, capa, entre outros serviços editoriais, em troca de um valor que o autor paga adiantado.

Em contrapartida, o autor receberá uma determinada quantidade de livros, conforme o acordo feito, e terá de armazenar e vender por conta própria.

Estas editoras não estão preocupadas em vender o livro. Apenas em entregar a tiragem impressa para o autor.

Em síntese: você terceiriza o processo editorial e, depois, precisa vender as obras.

Há de se abrir o olho com este formato. Existem empresas sérias, que prestam um serviço honesto e correto, como a Jambô Editora (selo Odisseias), mas há também as aproveitadoras. Aquelas que não são editoras, somente gráficas administradas por maus caráteres que tomam seu dinheiro e devolvem um livro simplérrimo (quando devolvem). 

Portanto, se decidir por esta modalidade, procure se informar antes com quem publicou antes pela empresa que você pretende contratar.

(Dica: há um post que avalia a experiência dos escritores com as editoras no grupo Papo de Autor no Facebook).

Prós:

  • O lucro da venda do livro é todo do autor;
  • Facilidade para o autor ser publicado;
  • Autonomia para o escritor decidir a capa que deseja e outros detalhes;
  • Agilidade para entregar o livro ao autor, pois desejam receber o pagamento pelo processo.

Contras:

  • O autor precisa vender seu livro;
  • Ele terá só a si mesmo para fazer o marketing da obra;
  • E deverá cuidar do estoque e da distribuição.

3) Autopublicação independente

Autopublicação independente significa que você irá cuidar de todos os processos e produzir o próprio livro. 

Também escolherá os profissionais que deseja para cada etapa. Ou você mesmo assumirá estas funções, caso domine as habilidades necessárias.

Este formato não é novidade. Entre os grandes escritores que pagaram para ser publicados, podemos citar:

  • Marcel Proust
  • Lima Barreto
  • Edgar Allan Poe
  • James Joyce
  • Margaret Atwood
  • Beatrix Potter
  • Carlos Drummond de Andrade

A lista vai muito mais longe, mas fiquemos com estes.

Há um caso singular na literatura brasileira, o escritor André Vianco. Na década de 90, ele foi demitido de uma empresa de cartões de crédito. Então, pegou o valor da rescisão e, por uns meses, dedicou-se a escrever seu livro e publicou por conta própria. Em seguida, vendeu de porta em porta, na rua e em eventos. Resultado: hoje tem mais de um milhão de livros vendidos e várias publicações.

Enfim, voltando a quem está começando. O grande problema da autopublicação é: de onde virá o dinheiro?

Isso mesmo, pois você irá bancar e administrar todo o processo. Então vejamos 3 fontes possíveis:

A) Dinheiro do próprio bolso

Caso tire um empréstimo, de uma poupança, de herança ou seja lá de onde, prepare-se, pois o livro tem um ciclo longo de vendas. Em outras palavras, é um dinheiro que pode não voltar ou demorar para retornar.

B) Por crowdfunding ou financiamento coletivo

Diversos autores, e eu mesmo fiz isso para publicar meu livro Um gato chamado Borges, usam as plataformas de financiamento coletivo (como Catarse, Apoia-se, Vakinha, Kickstarter etc) com a intenção de arrecadar o dinheiro para publicar um livro. É uma forma excelente, porém você terá que ter uma boa rede de contatos e um plano de divulgação para conseguir. Recomendo a leitura do livro Crowd, o Guia do Financiamento Coletivo para Autores e Editores de Livros, de Marina Avila, Valquíria Vlad e Raíssa Pena.

C) Gratuito, sendo digital ou impressa sob demanda

Esta é a maneira menos arriscada do ponto de vista financeiro, pois você pode se evadir dos custos de impressão. Embora seja interessante utilizar todos os outros serviços editoriais. Se você recorrer a sites como o Clube de Autores, a UICLAP, ou a Amazon KDP, poderá publicar sem gastar nada com impressão. Vamos repetir: você ainda terá de providenciar capa, leitura crítica e revisão, mas depois enviará o livro para eles, a empresa coloca em seu site à venda e só imprime o livro que vender, além de enviar para os leitores.

Prós:

  • Liberdade total nas escolhas editoriais do livro;
  • Possibilidade de selecionar os profissionais com quem quer trabalhar no processo de publicação;
  • Você administra todo o processo, o que é um pró, se entender de mercado editorial.

Contras:

  • Você administra todo o processo, o que é um contra, se não entender de mercado editorial;
  • Possivelmente, será um livro amador, por falta de conhecimento;
  • Ter de vender todos os livros;
  • Precisar fazer todo o marketing sozinho ou contratar um profissional, talvez fazer cursos, para suprir esta necessidade;
  • Cuidar do estoque e da distribuição.

4) Plataformas digitais (como Wattpad, Sweek ou Spirit)

Talvez você não precise neste momento ter seu livro impresso, em mãos, materializado. Muito menos, possui condições de investir para publicar um livro.

Então plataformas como Wattpad, Sweek ou Spirit, podem ser a solução para o seu problema.

Nestes sites que agregam muitos leitores, após criar uma conta, você pode publicar um livro. Seja capítulo a capítulo, ou na íntegra.

Você não recebe nada por isso, mas também não precisa pagar. Escreve e publica somente pelo desejo de mostrar e interagir com outras pessoas.

Prós:

  • Não precisa investir dinheiro;
  • Já há pessoas ali dispostas a lerem;
  • É só escrever e publicar.

Contras:

  • Precisa investir tempo para se relacionar com outras pessoas da rede, que possam virar seus possíveis leitores;
  • Muitos textos são sem revisão alguma, o que não recomendo fazer;
  • É raro alguém que não está habituado a estas redes entrar para ler apenas o seu livro. Quer dizer, mesmo que você tenha 1 milhão de leituras por ali, vai continuar desconhecido de uma parcela significativa de leitores.

5) Concursos literários

Basicamente, um concurso abre inscrições para autores que nunca publicaram. Você se inscreve, enviando o seu original, e espera o resultado. 

A melhor parte é que alguns deles prometem premiação em dinheiro e publicação do livro vencedor.

Esta é uma forma para quem tem paciência para esperar a avaliação de terceiros. Ou quem deseja se provar no meio literário, recebendo uma validação.

Mesmo não sendo vencedor, mas alcançando a posição de finalista, por exemplo, você recebe algum destaque por isso. Ou, pelo menos, sua confiança aumenta. 

Contei a história de como publiquei meu livro, após ter sido finalista do Prêmio Sesc, neste artigo.

Alguns dos concursos literários mais importantes do Brasil (para autores iniciantes) são:

 Prós:

  • O autor não precisa pagar;
  • Premiação em dinheiro;
  • Ser publicado;
  • A validação e a publicidade espontânea de ter ganho um prêmio.

Contras:

  • O tempo de espera do resultado do concurso;
  • Às vezes, seu original não se encaixa no perfil do concurso.

6) Revistas literárias

A maioria delas publica contos. No entanto, mesmo que você sonha em publicar um livro, elas podem ser uma excelente porta de entrada para escritores.

As revistas literárias têm um público que as acompanha. Logo, se você for selecionado, passa a ser conhecido pelas pessoas, o que pode facilitar seu caminho mais à frente.

Entre as mais conhecidas, é possível citar:

Prós:

  • O autor não paga nada (ou não deveria, pelo menos);
  • Visibilidade com os leitores;
  • Validação por ter sido selecionado pelo conselho da revista;
  • Mesmo sem pagar, recebe um tratamento profissional no seu texto.

Contras:

  • A espera pelo resultado da seleção.

Considerações finais sobre publicar um livro

A meu ver, o ideal seria o autor iniciante começar publicando em revistas literárias. Posteriormente, ao escrever uma narrativa maior, enviá-las então para concursos literários, além de inscrevê-las nas temporadas de recebimentos das editoras tradicionais.

Contudo, cada um deve pesar o que é importante para si e buscar seu próprio caminho.

***

Gostou deste artigo? 

Se sim, não deixe de comentar e enviar para mais uma pessoa, combinado?

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 Replies to “PUBLICAR UM LIVRO — 6 Formas dos escritores chegarem aos leitores”

Alderacy Pereira

Bem escrito e rico em informações

Vilto Reis

Muito obrigado, Alderacy.

Janes Rocha

Muito bom! Obrigada Vilto

Vilto Reis

Eu que agradeço por publicar 🙂

Sinedetra

Conteúdo claro, completo, sem enrolação.

Vilto Reis

Muito obrigado!

Sandra QUINTINo

Gostei desse artigo quero publicar meu livro mas posso começar pelo contos literário

Vilto Reis

É um bom caminho 🙂