fbpx

A Teoria da Iluminação do Personagem pode salvar sua história

Publicado por Vilto Reis em

A teoria da iluminação do personagem

Acredite, a Teoria da Iluminação do Personagem, de Henry James, pode salvar sua história.

É um conceito simples e fácil de entender, mas que, quando aplicado, transforma um simples conto, romance ou crônica de um escritor iniciante em uma grande obra.

E se você já se perguntou: por que meus personagens parecem tão rasos? Como faço para dar mais profundidade a eles? Tem como meus protagonistas serem mais interessantes? Então este artigo é para você.

Continue lendo este texto para aprender:

  • Quem foi Henry James e qual sua relação com a Escrita Criativa
  • A Teoria da Iluminação do Personagem
  • Como aplicar a Teoria da Iluminação do Personagem
  • 3 Erros a serem evitados na Criação de Personagens
  • Mini-curso por e-mail sobre Criação de Personagens

Quem foi Henry James e qual sua relação com a Escrita Criativa

Henry James é uma referência para a ideia da Escrita Criativa.

Americano naturalizado britânico (1843 – 1916), James foi um dos nomes mais importantes do realismo na literatura do século XIX. Produziu romances, contos e críticas literárias. E suas obras mais conhecidas são Retrato de uma senhora, Pelos olhos de Maisie e A outra volta do parafuso.

Mas o que nos interessa em Henry James, do ponto de vista do aprendizado para escritores, é sua relação com a Escrita Criativa.

Embora não haja registros de tenha sentado em rodas de escritores analisando e discutindo com eles a criação literária, há um detalhe muito importante sobre ele.

Entre 1907 e 1909, James produziu prefácios críticos ensaísticos para a publicação completa de suas obras nos Estados Unidos. E nestes prefácios, falou muito sobre criação literária. De uma forma que nenhum escritor havia feito. Muito antes da popularização dos manuais para escritores.

E foi em um desses ensaios que surgiu a teoria que cito neste artigo.

A Teoria da Iluminação do Personagem

Imagine que seu protagonista esteja no meio de um círculo. Os demais personagens estão nas extremidades do mesmo círculo. E cada vez que ele interage com um dos personagens secundários, informações, revelações ou aspectos do protagonista vêm à tona.

Henry James ainda usava outra metáfora para ilustrar esta ideia.

No caso de um quarto escuro, com luminárias nos quatro cantos, podendo se acendê-las individualmente, poderíamos iluminar o quarto conforme nossa necessidade.

Ou seja, as situações da história iluminam o personagem principal por meio de outros personagens.

James chamava isso de Teoria da Iluminação do Personagem.

Trata-se de uma ferramenta fabulosa para dar mais dimensão ao seu protagonista.

Mas é fundamental saber usá-la a seu favor.

Como aplicar a Teoria da Iluminação do Personagem

“O que é um personagem se não a determinação de um incidente? E o que é um incidente se não a iluminação do personagem?”

Esta frase famosa de Henry James resume a aplicação da teoria.

Considere que ao criar e planejar a estrutura da sua história, você gere incidentes que ou revelem algo sobre o personagem (o ilumine) ou façam com que a história avance. Pronto! Temos a aplicação de teoria.

Apenas para citar outros exemplos. Há ainda diversas maneiras de utilizar a Teoria da Iluminação do Personagem para revelar informações.

Você pode fazer com que o personagem principal mostre algo sobre si mesmo. Mas não abuse dessa ferramenta. Outra opção é revelar mais do protagonista quando outro personagem diz algo a respeito dele.

Ao se ter em mente que as situações de uma história devem mostrar quem é seu protagonista, a própria construção do enredo toma outro sentido. E fica muito mais fácil para o autor desenvolver a história.

No entanto, há alguns cuidados na relação do personagem com o enredo que devem ser tomados.

3 Erros a serem evitados na Criação de Personagens

1) Protagonistas têm que ser ativos, não reativos

Sabe quando você lê uma história em que os personagens secundários parecem mais interessantes que o protagonista?

Nessas histórias, há uma sensação constante de que o protagonista some do primeiro plano. Os demais personagens roubam a cena. Ou ainda a linha narrativa acaba parecendo muito forçada e previsível

Uma das possibilidades é que não haja conflito suficiente na história. Mas o mais provável é que o protagonista esteja passivo demais.

Grave isso: protagonista tem que protagonizar.

Talvez até o meio da história ele esteja aprendendo e se desenvolvendo, portanto só reagindo. Mas chega um ponto em que ele precisa agir e não somente reagir.

2) Adicionar um personagem para a história avançar pode ser a pior solução

Muitas das histórias de escritores iniciantes que leio apresentam o mesmo problema. O escritor não sabe como avançar, então vai acrescentando novos personagens.

Como diz Syd Field em seu livro Roteiro – Problemas e soluções:

“Em vez de tentar desenvolver o contexto dramático de uma dada cena, da história ou do personagem, ou em vez de tentar expandir a ação, tudo que eles fazem é inserir um novo personagem.”

O problema resultante é uma história sem foco. Sem profundidade. Com personagens rasos e que não têm verossimilhança.

Um exercício para conseguir profundidade de personagem proposto pelo próprio Syd Field é a “associação livre do passado do personagem.”

Basicamente, você deve pegar duas folhas brancas. E, ali, escrever todas as histórias pregressas, formas de falar, problemas enfrentados, complexos, vícios, vale à pena até entrevistar seu personagem, como sugeri em outro artigo sobre o assunto.

E assim acabará conhecendo melhor seu personagem.

3) Saiba qual é o conflito do seu personagem e da sua história

Como já tratado no infográfico 6 Ideias de conflitos para escrever histórias com personagens inesquecíveis, ter em mente a relação do conflito de uma história e do seu personagem é fundamental.

Há pelo menos 6 possibilidades de conflitos que você pode trabalhar:

Personagem X Personagem: Conflitos de personagens, ente heróis e vilões ou amantes. Ex.: Romeu e Julieta, de Shakespeare.

Personagem X Sociedade: O personagem é vítima da sociedade. Ex.: Winston Smith em1984, de George Orwell.

Personagem X Natureza: Quando uma catástrofe natural ou elemento da natureza muda a vida do personagem. Ex.: Moby Dick, de Herman Meville.

Personagem X Tecnologia: O personagem enfrenta os resultados ameaçadores da ciência, que estão além do seu controle. Ex.: Frankeinstein, de Mary Shelley.

Personagem X ele mesmo: Conflito entre um personagem e sua luta interior. Ex.: Raskolnikov em Crime e Castigo, de Dostoiévski.

Personagem X Sobrenatural: A fonte do conflito é o sobrenatural. Ex.: O palhaço que aterroriza as crianças em It – A coisa, de Stephen King.

Mas o assunto da elaboração de personagens não acaba aqui.

***

Para quem quiser se aprofundar na criação de personagens de ficção

Criação de personagens de ficção é um tema muito procurado aqui no site. Tanto que o curso sobre o assunto acaba sendo muito adquirido.

E é por isso também que já produzimos muito material sobre o assunto. Como esta live abaixo completamente gratuita respondendo a várias perguntas sobre as principais questões da criação de personagens.

Se criação de personagens é um assunto que interessa a você, então procure se aprofundar ainda mais no assunto. Sempre existe algo a aprender e quanto melhor os personagens, melhor a história.

Conheça este curso:

   

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.