fbpx

Artigos

Você tem a Verdadeira Vontade de escrever um livro?

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 11 de agosto de 2021
Você tem a Verdadeira Vontade de escrever um livro?
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Será que não falta em você a Verdadeira Vontade de escrever um livro?

Os anos passam. Você segue lendo, assistindo e consumindo narrativas. 

Vez ou outra, fica indignado com o fim de uma série ou filme. Afirma que faria diferente. 

Talvez tenha visto obras menos qualificadas do as que você poderia escrever, mas estão finalizadas e publicadas.

Começou várias histórias e não terminou, acumulando frustrações.

Por alguma razão, você não consegue ir adiante. Então, o que estaria faltando?

Continue lendo este artigo para descobrir.

Como saber se tenho a Verdadeira Vontade de escrever um livro?

Foto por Bonnie Kittle.

Você já se perguntou se possui a Verdadeira Vontade de escrever um livro?

Simplesmente dizer que tem uma grande ideia, que sua história daria um livro ou que um dia pensa em escrever uma obra não se evidencia como Verdadeira Vontade de o fazê-lo.

Aliás, por que alguém escreveria um livro?

Em busca de fama e reconhecimento, riqueza e poder, compartilhar uma história ou ensinamentos à humanidade?

Na verdade, o porquê de alguém querer escrever um livro não influi se ele o fará ou não. Mas sim se ele deposita sua vontade nisso. Não se trata de uma questão moral, porém de intenção.

Para saber se tem a Verdadeira Vontade de escrever um livro, você pode se perguntar:

  • O quão disposto estou a sacrificar meu tempo e energia para escrever um livro?
  • Este ato é tão prioritário em minha vida que deixarei de passar tempo com as pessoas que amo para transformar ideias em palavras e escrever um livro?
  • Sem escrever esta obra, parte da minha existência encontrará sentido?
  • Trocarei os prazeres fugazes da vida pelas horas de labor da escrita?

A lista poderia ser maior, mas estas perguntas devem servir para fomentar a reflexão necessária em você.

Bukowski surge com um exemplo de vontade dirigida

Nas entrelinhas deste assunto, eu não poderia deixar de citar o poema Como ser um grande escritor, de Charles Bukowski, presente no livro O amor é um cão dos diabos:

e lembre dos velhos cães
que brigavam tão bem?
Hemingway, Céline, Dostoiévski, Hamsun.

se você pensa que eles não ficaram loucos
em quartos apertados
assim como este em que agora você está

sem mulheres
sem comida
sem esperança

então você não está pronto.

Impossível ser mais específico. É necessário uma vontade interior para escrever.

Apesar de tudo isso, a escrita pode ser divertida? Com certeza, sim. O que não significa que deixará de custar um grande esforço de energia vital. 

Para ir mais longe, é preciso caminhar mais, direcionando a vontade neste sentido. Assim, tornamo-nos grandes e, como diz a filósofa Lúcia Helena Galvão, “a pegada é do tamanho do caminhante.”

Contudo, a pergunta a seguir deve rondar sua mente desde o início do texto.

O que é a Verdadeira Vontade?

Somente analisando seu interior é possível descobrir sua Verdadeira Vontade de escrever um livro.
Foto por Zhifei Zhou.

A expressão Verdadeira Vontade deriva dos escritos do inglês Aleister Crowley. 

Ele acreditava que para além do ego e das vontades comuns, havia uma Verdadeira Vontade no ser humano. Esta Vontade seria como um propósito de vida, o qual com autoconhecimento poderia ser descoberto.

Em linhas gerais, é isso.

Deste modo, acredito que se escrever um livro não estiver de acordo com a Verdadeira Vontade do sujeito, dificilmente ele o fará.

Esta conversa me faz recordar de um exemplo.

Uma história do Buda

Em certa feita, um discípulo perguntou ao Buda:

— Mestre, por que o senhor não compartilha sua sabedoria com toda a humanidade?

Após alguns instantes de silêncio, o iluminado respondeu:

— Vá até aquela aldeia em que estivemos, bata de porta em porta e pergunte às pessoas o que elas querem. Diga que podem obter qualquer coisa. Depois me responda.

Um dia depois, o discípulo retornou de sua missão. 

— E então? — perguntou o Buda.

— Alguns queriam riqueza, sexo, saúde ou o sucesso dos filhos. Ninguém, sabedoria.

O Buda apenas sorriu em resposta.

***

A primeira camada de interpretação desta história é simples. As pessoas não querem sabedoria.

No entanto, outra coisa fica evidente. Nenhum deles queria realmente obter as coisas que falaram. Do contrário, elas o teriam. Ou, ao menos, estariam no processo de alcançá-las. Dito de outro modo, alinhados com sua Verdadeira Vontade, atingiriam o objetivo determinado.

Você compreende a relação entre as coisas? Assim sendo, o que fazer?

De que maneira cristalizar esta Vontade?

Foto por Jozsef Hocza.

Sempre que leio algo de Neil Gaiman, me sinto inspirado a escrever. No entanto, nada que ele tenha dito ou escrito me impactou tanto como um trecho de sua fala no discurso Faça boa arte.

Gaiman afirma que, aos 15 anos, fez uma lista com tudo que queria fazer: “escrever um romance para adultos, um livro infantil, uma revista em quadrinhos, um filme, gravar um audiobook, escrever um episódio de Dr. Who…”

Não era nenhum tipo de plano elaborado, como ele ressalta, mas certamente se alinhava com sua Verdadeira Vontade.

Às vezes, temos a ilusão de que pessoa X ou Y tem mais sorte do que nós. Elas até podem ter sido mais favorecidas por alguma questão social (infelizmente), mas isso não significa que aquela pessoa não tenha dedicado sua energia e, com afinco, atingido determinado estágio desejado. Acredite, invejar o sucesso dos outros é  perda de tempo e energia, afinal cada indivíduo só compete consigo mesmo. O melhor a fazer é se dedicar ao autoconhecimento, à prática da técnica e ao contínuo e disciplinado exercício daquilo que se pretende fazer, buscando excelência.

Como já comentei aqui no site, a meditação pode ajudar muito neste processo. Esta atividade ajuda a melhorar o foco e a atenção, alcançar a disciplina, lidar com emoções e sentimentos negativos, entre outros benefícios. Do mesmo modo que os exercícios físicos ou a escrita, somente com a prática constante, os resultados aparecerão.

Mesmo assim, é válido nos fazermos uma última pergunta.

Será que você consegue escrever um livro?

Descobrir a orientação da sua Verdadeira Vontade de escrever um livro é fundamental.
Foto por Ethan Sykes.

Posso responder com toda a certeza, consegue, se evitar os comportamentos abaixo.

Não transfira a responsabilidade. Ou seja, não diga que precisa de motivação dos outros. A energia se encontra em você e, para encontrá-la, será necessário uma mineração tão apurada como a de quem busca o ouro.

De igual modo, não diga que é incapaz. Tem menos a ver com capacidade do que se pensa. 

Do contrário, algumas pessoas semianalfabetas não teriam dado grandes contribuições para a humanidade. Sabedoria é diferente de erudição. 

Também não podemos ancorar a possibilidade de escrever um livro na necessidade de talento ou dom, de ser genial, um dos mitos do romantismo que perdura até hoje.

Uma coisa é certa. Se for sua verdadeira vontade escrever um livro, ainda que tudo pareça conspirar contra, você o fará.

***

E então, você concorda? Não deixe de contribuir nos comentários com esta discussão!

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 Replies to “Você tem a Verdadeira Vontade de escrever um livro?”

Elda

Nota 💯. Texto e imagem alinhados. Bonitos de se ver. Verdades verdadeiras, ainda que haja muitas outras verdades. As vezes, é preciso sacodir a árvore para colher o fruto. Gostei!!

Vilto Reis

Obrigado, Elda.
Ah, sim, há outras verdades e verdades de verdades. Talvez sejam apenas alfabetos diferentes que mostrem aspectos de uma mesma coisa, mas quem poderá saber?

Nathalie

Gostei muito do artigo! A verdade é que a gente não pode deixar o fogo da paixão se apagar. Serve para as várias situações da vida. Isso que nos mantém firmes em nossa caminhada

Vilto Reis

Fico feliz que tenha gostado, Nathalie. De fato, tudo de que falei ali, também serve para a vida. E é fundamental se manter firme, sempre!

Ronaldy Souza

Esse texto é muito necessário.
Durante muito tempo fui um cemitério de ideias frustradas, e entre os motivos, estão preguiça, indisciplina, medo, autoestima baixa. Mas a imaginação não para e tudo se transforma em enredo, personagens, conflitos, reviravoltas, na minha cabeça. Não consigo evitar criar histórias. Acaba sendo mais forte que eu. A verdade é que sempre quis dar vida a todas elas por meio da escrita. Cheguei inclusive a escrever, mas tudo terminou na lixeira.
Vou lutar por isso e voltar a escrever.
Obrigado, Vilto…

Vilto Reis

Siga lutando, meu amigo, que você vai conseguir!