fbpx

Artigos

Aviso: cuidado ao incluir diversidade em suas histórias!

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis
Aviso: cuidado ao incluir diversidade em suas histórias!
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Diversidade é uma das palavras definidoras do início do século XXI. 

Estamos aprendendo a reconhecer e celebrar a grande variedade de experiências em nossa sociedade. Em nossos locais de trabalho e em nossa cultura, os ativistas estão tomando medidas para garantir uma representação diversificada, tanto para superar as desigualdades do passado quanto para se beneficiar dos insights que diferentes pessoas podem trazer.

Como escritor, a diversidade pode ser uma questão difícil de resolver. Então, por que você deve se esforçar? E o que você pode fazer para acertar?

Por que ter outras perspectivas?

Na imagem, vemos uma diversidade de cafés, com cores diferentes em canecas, vistos de cima sobre uma mesa.
Foto por Nathan Dumlao.

Para muitas pessoas, o argumento para uma maior diversidade em sua ficção é auto-evidente. Mas caso você não tenha tanta certeza, vamos dar uma olhada nos benefícios.

O ponto mais importante é que você aumenta a representação. Os leitores encontram personagens que se parecem e agem como eles, empoderadores. Ajuda a garantir que todos sejam igualmente vistos e ouvidos na sociedade. Embora seu romance possa ser apenas uma pequena voz em meio a um vasto coro, ele contribui para a criação de uma sociedade mais justa. E quanto mais bem-sucedido você se torna, mais valiosa é essa contribuição.

Assim como o sucesso fortalece a diversidade, a diversidade pode ajudá-lo a alcançar o sucesso. Quanto mais ampla a gama de personagens em sua ficção, mais as pessoas se verão em seus personagens. Isso ajudará você a aumentar seu público, pois os leitores procuram a ficção em que se sentem representados.

Criativamente, a diversidade oferece variedade para trabalhar. Ao explorar diferentes culturas, classes e religiões, você se dá uma rica paleta de conteúdo e uma vasta riqueza de inspiração. Seus personagens se tornarão mais variados e interessantes.

Encontrando diferentes perspectivas para explorar

Em uma rua de dia, vemos um braço erguido segurando um papelão escrito: equalidade é diversidade.
Foto por Amy Elting.

Eu poderia escrever um livro inteiro sobre diversidade e ainda não cobrir todas as maneiras pelas quais variamos como pessoas, todos os grupos que você poderia representar. Mas se você quiser escrever de forma mais diversificada, certas divisões-chave o levarão a um longo caminho.

Gênero é um ponto de partida óbvio. Apesar de ser metade da humanidade, as mulheres estão sub-representadas em grande parte da cultura popular. As estatísticas sobre quem fala em filmes vencedores do Oscar mostram uma disparidade chocante na representação. Tente tornar seu trabalho mais equilibrado, dando às mulheres tantos papéis quanto aos homens e tornando esses papéis tão ativos e importantes. Inclua personagens transgêneros e não-binários, para que essas minorias significativas sejam ouvidas.

Relacionado ao gênero está a sexualidade. Uma proporção significativa de pessoas é lésbica, gay ou bissexual, então inclua relacionamentos românticos do mesmo sexo ao lado dos heterossexuais. Quando for apropriado para o cenário, torne esses relacionamentos tão comuns e aceitos quanto qualquer outro. Em gêneros como ficção científica e fantasia você pode criar uma sociedade onde a igualdade sexual é aceita, dando um exemplo para o mundo moderno.

Nenhuma sociedade é racialmente homogênea. Mostre a variedade em sua configuração. Se os personagens internacionais forem apropriados, desenhe-os de uma ampla gama de países com diversas culturas e diferentes níveis de riqueza e poder.

Distinta, mas ligada à raça, é a religião. As convicções religiosas podem ser um grande motivador para os personagens e vêm de todos os tipos de fé, do ateísmo ao zoroastrismo. Mesmo que um personagem não seja religioso, você pode mostrar sua formação religiosa e a variedade de diferentes criações, expectativas e crenças que as pessoas têm.

Classe e riqueza são muitas vezes negligenciadas, mas são muito importantes. Todos os seus personagens são lidos como se fossem da classe média ocidental? Lembre-se, isso não representa nenhum país, muito menos o mundo. Inclua personagens que vêm das classes trabalhadoras, que lutaram contra o desemprego, foram ostracizados e marginalizados. Mostre os pobres, bem como os confortáveis, ou pelo menos aqueles que vêm dessas origens. Isso levará a um elenco de personagens com prioridades e interesses muito diferentes.

Lembre-se, nenhum personagem único é definido por apenas um desses recursos. Esse capitão de cargueiro indonésio também pode ser gay, mulher e/ou nascido em uma favela. Apenas não force toda a sua variedade em um personagem e deixe o resto como o não-padrão dos homens brancos e heterossexuais.

Os perigos da diversidade

Muro com pintura que mostra dez pessoas de diversas cores e nacionalidades diferentes.
Foto por Miles Peacock.

Como qualquer coisa importante, escrever de forma diversa não é uma opção segura ou fácil. Existem maneiras de fazer isso bem, mas antes de chegarmos a isso, precisamos analisar as possíveis armadilhas.

Há uma armadilha com a qual você não deveria se preocupar, mas que é difícil de ignorar. Há algumas pessoas que se ofendem ao ver mais diversidade na ficção. Se eles pegam um livro que não é dominado por homens brancos heterossexuais, eles têm um ataque. A mudança é difícil de lidar, e uma mudança longe de se ver em 99% dos personagens é uma mudança que eles não gostam. São pessoas que querem que sua ficção seja menos aventureira e menos representativa. Ouvi-los apenas o impedirá. Tente não deixar essas vozes chegar até você, e lembre-se, você pode perder alguns desses leitores, mas você será mais atraente para muitos grupos igualmente grandes e barulhentos.

A armadilha que importa é errar na representação diversa. Para escrever de forma diversa, você tem que escrever sobre experiências que não são suas. Isso é desafiador. Às vezes você vai dar um passo em falso. E quando tanto a sua criação quanto o desejo de fazer o bem importam para você, isso pode ser doloroso.

Não só pode dar errado, mas pode causar ofensa. Se você usar estereótipos ou representar de forma imprecisa a vida de um grupo, as pessoas vão se ofender. A crítica que vem disso vai doer. A melhor maneira de lidar com isso é reconhecer seu fracasso, ouvir o que as pessoas estão dizendo e fazer melhor da próxima vez.

Isso faz parte da criatividade – cair, tirar a poeira e se esforçar para fazer melhor da próxima vez.

Fazendo certo

Foto por John Schaidler.

Enfrentamos o medo de errar e conversamos sobre como lidar quando as coisas dão errado. Mas o que você pode fazer para impedir que isso aconteça, para obter a representação certa em primeiro lugar?

Comece com a pesquisa. Se você conhece pessoas com as origens que deseja representar, pergunte a elas sobre suas vidas. Faça pesquisas na internet para aprender sobre o estilo de vida das pessoas, culturas, maneirismos e todas as pequenas coisas que as tornam quem são. Vídeos podem ser tão úteis quanto textos escritos, especialmente quando se trata de como as pessoas falam. Você pode entrar em contato com grupos da comunidade para saber mais – a maioria das pessoas ficará feliz em ajudar assim que entender o que você está fazendo.

Quando chegar a hora de escrever, seja específico nos detalhes. Isso torna sua representação mais convincente e vívida. Isso mostra que você está realmente tentando entender a vida das pessoas, não pintando-as em traços largos.

Representar diversos pontos de vista significa representar novas ideias e experiências para seus leitores. Encontre maneiras de tornar essas ideias e experiências acessíveis. Mostre o que são por meio de pistas contextuais quando são apresentadas. Se necessário, use um caractere para explicar algo. Às vezes é bom contar, não mostrar.

Há tantos espaços no elenco de sua história, então use personagens secundários para adicionar mais diversidade. Isso não apenas tornará sua história mais diversificada, mas também tornará esses personagens mais distintos e, assim, ajudará os leitores a lembrar quem é quem.

Depois de escrever sua história, tente encontrar uma gama diversificada de leitores beta para examiná-la, especialmente leitores de grupos sobre os quais você está escrevendo. Eles encontrarão maneiras de você representá-los melhor e, assim, evitar erros públicos embaraçosos.

Conheça seus limites quando se trata de diversidade

Pessoas de diversos gêneros se abraçando, um exemplo de diversidade.
Foto por Jana Sabeth.

Como a diversidade é uma coisa tão grande e importante, é importante conhecer seus limites.

As coisas que você escreve nunca serão perfeitas. Você vai cometer erros nisso, assim como cometerá erros gramaticais e enredos confusos.

Nenhum grupo é homogêneo. Mesmo que você represente perfeitamente a experiência de uma pessoa bissexual ou asiático-americano, haverá outras que terão experiências muito diferentes. Você nunca vai agradar a todos.

Você não estará sozinho em seus erros. Minhas primeiras tentativas de diversidade foram uma bagunça. Ainda não estou tão bem quanto gostaria. Por mais que tente, nem sempre me lembro de mostrar uma ampla gama de pontos de vista. Mas a prática faz melhor.

Perdoe-se pelos seus erros, mas não os esqueça. Descubra quais críticas são válidas e aprenda com elas. Esqueça o resto, mas lembre-se, se houver muitas críticas de um grupo sub-representado, provavelmente eles têm razão. Eles conhecem a experiência deles melhor do que você, não importa quanta pesquisa você tenha feito.

Acima de tudo, lembre-se de que é melhor tentar uma diversidade genuína e representativa e errar do que não fazer nada. Cada vez que você escreve um grupo diversificado de personagens, você se sairá melhor do que da última vez. Cada vez, sua escrita será mais criativa e variada. E cada passo em direção a uma melhor representação é um passo na direção certa.

Exemplos

Não há exemplos perfeitos de nada. Mas se você quiser experimentar algumas histórias diversas para se inspirar, confira os  livros Keiko de Mike Brooks  e a série de TV Sense8, da Netflix. Ambos mostram como, mesmo dentro de um elenco central pequeno, você pode apresentar uma comunidade diversificada e tornar sua história mais rica por isso.

***

Gostou do artigo? Tem mais alguma consideração sobre usar a diversidade em suas histórias?

Não deixe de participar desta discussão nos comentários!

***

Texto traduzido e adaptado do site Refiction.

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado.