fbpx

Artigos

Escrever diálogos - Dicas fundamentais para ser bem sucedido

Vilto Reis
Escrito por Vilto Reis em 23 de fevereiro de 2018
Escrever diálogos - Dicas fundamentais para ser bem sucedido
Junte-se a mais de 20 mil assinantes

Entre para minha lista e receba conteúdos exclusivos sobre escrita criativa

Escrever diálogos é uma arte que pode ser aprendida.

Em cursos e mentorias que realizo, encontro muitos escritores que têm medo de escrever diálogos. Se considerarmos que esta é uma ferramenta para dar agilidade à trama, revelar os personagens e ainda acrescentar sutilezas ao texto, você perde muito se não usar.

Mas como tornar os diálogos verossímeis? Esta é uma pergunta que ouço com frequência.

Ou ainda: preciso mesmo escrever diálogos?

Não precisa. O diálogo pode ser mencionado pelo narrador (discurso indireto). Porém se você deseja que as pessoas se identifiquem com seus personagens, ou que eles fiquem na memória do leitor, ou pareçam pessoas de carne e osso, precisa escrever.

Ouça a voz dos seus personagens e deixe que eles falem em seus textos.

Quer saber como fazer isso? Então continue lendo este artigo para aprender:

  • Qual a função do diálogo na narrativa?
  • 6 Conselhos práticos para melhorar ao escrever diálogos
  • Aspas, travessão e devo ou não marcar os diálogos?
  • Para que servem as reticências nos diálogos?
  • Qual a hora mais adequada de escrever diálogos?

Qual a função do diálogo na narrativa?

Quando o leitor se depara com o diálogo, ele vive o momento presente da cena. Na mente dele, é como se a história estivesse acontecendo no agora. A recriação das vozes dos personagens acontece em seu consciente.

Assim, novas informações podem ser inseridas, em um nível emocional muito mais intenso. De um jeito sútil e eficiente.

Por exemplo, o narrador não precisa dizer que o personagem vai mentir. Isso pode aparecer no diálogo e o leitor irá notar. Por meio da sutileza, atinge-se ainda mais profundidade na história. Além, é claro, de fornecer pistas ao leitor. Um fio condutor para a trama.

Outra possibilidade é tornar a narrativa mais ágil. Será que Dom Quixote seria o clássico que é, considerando as peregrinações de seu protagonista, se não tivessem os brilhantes diálogos entre Sancho Pança e Dom Quixote?

6 Conselhos práticos para melhorar ao escrever diálogos

Se você apenas considerar estes 6 conselhos a seguir, já dará um salto de qualidade na escrita dos seus diálogos.

1) Evite falar demais

Mostrar as coisas em vez de contar é importante, mas evite falar demais.

O diálogo é útil para que os leitores conheçam os principais detalhes do enredo. No entanto, o diálogo também é melhor quando contém narração concisa em oposição a muita exposição.

Soa vazio e óbvio quando os personagens compartilham informações que ambos sabem, claramente para o benefício do leitor. Parece uma conversa coreografada, que nada tem a ver com a vida.

2) Não revele no diálogo o que está no subtexto

Às vezes, os personagens dizem coisas tão óbvias como, “Nosso casamento está caindo aos pedaços”, ou “Sou um empresário implacável e não vou parar até estar no topo”.

No entanto, esses detalhes podem aparecer no subtexto, construindo assim conversas mais sutis. Veja este diálogo de Dorothy Parker em A solidão dos casais:

– Detroit na linha – disse a telefonista.
– Alô – disse a jovem em Nova York.
– Alô – disse o jovem em Detroit.
– Oi, Jack, como estou feliz de te escutar, amor. Não sabe quanto…
– Alô – ele repetiu.
– Não consegue me escutar? Eu te ouço como se você estivesse aqui mesmo. E agora? Está me escutando?
– Com quem quer falar?
– Com você, Jack! Sou eu, amor. Tenta me escutar, por favor. Sou a Jean.
– Quem?
– Jean. Não está reconhecendo minha voz? Sou Jean, amor, Jean, amor.
– Ah, olá. Que surpresa. Como você está?

Alguma dúvida que esta não é uma história de amor bem sucedida? Está tudo ali. Pela forma como esses personagens se relacionam, sabemos que estão distantes, frios e apenas um deles está apaixonado. Em uma ligação telefônica, ou uma simples conversa, podemos descobrir portas que se abrem para novas emoções.

O diálogo tem o poder de inferir, bem como dizer, então lembre-se de usá-lo.

3) Use conflito e voz para mostrar os personagens e suas diferenças

Chuck Palahniuk, autor de Clube da Luta, costuma dizer em suas oficinas que você deve inserir o quanto antes dois personagens em cena. Pois assim terá conflito. E para isso, esses personagens precisam falar.

O conflito entre personagens em diálogo revela seus pontos de vista, metas ou pressupostos opostos.

Você deve procurar sempre incluir conflito, revelando diferenças sutis e mais abertas entre as vozes dos personagens.

4) Fuja dos acentos fonéticos

Acentos escritos foneticamente podem parecer falsos, na melhor das hipóteses. E culturalmente ofensivos na pior das hipóteses.

Com acentos fonéticos, refiro-me a expressões do tipo:

“Não tem nada pra nóis comê.” Ou “Aqui só serve arroz com flango.”

É mais seguro fugir desse tipo de coisa. Apenas reforçam estereótipos que não interessam à ficção. Ainda assim, isso não é uma regra. Eu mesmo uso muito “tô” em vez de “estou” em meus diálogos.

5) Cuidado com os verbos dicendi

Verbos dicendi excessivos e exóticos tornam o discurso escrito menos crível.

Não sabe o que é verbo dicendi? São aqueles verbos de “dizer” alguma coisa. Muito úteis para sinalizar ao leitor quem está falando. Ex.:

“Não vá por este caminho”, disse ele.

Identificar os falantes em seu diálogo garante que seus personagens não sejam lidos como um turma de escola da primeira série falando ao mesmo tempo.

Por outro lado, você não precisa identificar a cada linha quem está falando. Vejamos esse diálogo simples:

“Bala, pai.”
“Mas filho. Estou sem dinheiro.”
“Não vai comprar cigarro?”
“É claro.”
“Bala, pai.”

Está claro quem está falando? Então não precisa de verbo dicendi.

“Quando ouve um personagem num diálogo, o leitor deve ter a possibilidade de identifica-lo imediatamente, com base apenas na voz, sem a ajuda de qualquer explicação que o narrador pudesse proporcionar.”
–  Silvia Adela Kohan

Procure também fugir daqueles verbos dicendi exóticos. Verbos do tipo: elucidar, objetar, rejubilar, tachar ou conjecturar – após uma linha de diálogo. Apenas sinalize quem disse, sem deixar que o verbo dicendi roube a atenção no texto.

6) Cuide do ritmo do diálogo e equilibre-o com a narração

O ritmo no diálogo é importante.

Em uma cena tensa, a fala dos personagens devem ser breves e diretas. Certifique-se de que o comprimento, a estrutura e a complexidade da frase se adequam ao característico do personagem e ao propósito do diálogo em questão.

Se a fala que você precisa escrever é um pouco longa, balanceie com vícios de linguagem. Ex.:

“Sabe de uma coisa? Vou te falar só uma vez. Aquela vizinha é uma rapariga mesmo, sabe? Tem fogo no rabo, não te avisei? Sendo bem sincera, se eu fosse você, nem falava mais com ela. Presta atenção, vou te dizer só uma vez. Foi ela quem roubou o lençol da Lourdes outro dia.”

É preciso saber quando equilibrar as coisas. Balanceie o diálogo com a narração e use a descrição, quando necessário, para ancorar as conversas dos seus personagens no espaço e no tempo em que estão.

Perguntas frequentes sobre escrever diálogos


Aspas, travessão e devo ou não marcar os diálogos?

A forma mais tradicional de se escrever diálogos em língua portuguesa é o travessão (–). No entanto, não existe uma regra. Você pode usar aspas (“”), a forma tradicional anglo-saxã, ou nem mesmo marcar os diálogos. Fica ao seu critério.

No caso da pontuação, optando por travessão, você deve iniciar a frase com travessão (–), colocar a falar do personagem, seguida de um novo travessão (–), a explicação de quem disse e, então, o ponto final.

Exemplo.:

– Não se fala mais nisso – disse João.

Ou se a fala continuasse:

– Não se fala mais nisso – disse João –, vou comprar a carne.

Se usássemos as aspas, poderia ficar assim:

“Não se fala mais nisso”, disse João.

“Não se fala mais nisso”, disse João, “vou comprar a carne.”

Para que servem as reticências nos diálogos?

Com frequência, vejo escritores pecando pelo excesso de reticências (…) nos diálogos.

É evidente que reticências são importantes. Suas duas funções principais ao escrever diálogos são:

1) Podem fazer com o que leitor subentenda o que vem a seguir.

Ex.: Seus sonhos podem ser grandes, mas no fundo são uma…

2) Também podem indicar as hesitações tão comuns na oralidade:

Ex.: Sabe o nome daquele negócio que o médico usa? O… Es… Ah, estetoscópio!

Mas o mais importante é não exagerar. Seu texto não ficará mais filosófico só por estar cheio de reticências. Nem mais cheio de pausas.

Embora às vezes quando quero deixar um personagem mudo em uma fala, costumo usar as reticências da seguinte maneira:

“Você não vai me falar nada?”
“…”
“Caramba, assim fica difícil!”

Qual a hora mais adequada de escrever diálogos?

Talvez esta pergunta esteja respondida em tudo que falamos, mas vale à pena ressaltar sua resposta.

O diálogo deve ser usado quando você precisa:

  • Dar mais ritmo à história;
  • Revelar informações sobre seus personagens;
  • Aproximar o personagem do leitor;
  • Oferecer pistas da trama;
  • Criar contradições benéficas dentro da história;
  • Fazer a ação avançar;
  • Complementar uma ação;
  • Entre outras coisas.

Portanto, alguma dúvida sobre a necessidade de você cada vez mais dominar esta técnica?

***

Caso queira se aprofundar mais no assunto, há um pequeno guia que recomendo. É o livro Como Escrever Diálogos: A arte de desenvolver o diálogo no romance e no conto, de Silvia Adela Kohan (ver na Amazon).

E o que você acha?

Conte nos comentários o que achou deste conteúdo :)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

34 Replies to “Escrever diálogos – Dicas fundamentais para ser bem sucedido”

Sue

Boa noite! Eu ando lendo bastante seu site, tenho um amor por escrever já tem um bom tempo, e percebi que não basta só amor para eu passar o que realmente quero da melhor forma possível. Eu costumava escrever fanfic’s quando era mais nova, sempre tive muita criatividade, na época meu maior erro era não pensar no desenrolar da história, só pensava no início e no fim e acabava nunca conseguindo desenvolver por muito tempo então parei. Desde então minha cabeça é cheia de personagens e ideias, histórias que eu criei e decidi finalmente me jogar tentar escrever meu primeiro livro, com uma história que já venho pensando há mais de um ano. Organizei cada capítulo com um pequeno resumo no bloco de notas, fiz a sinopse e só escrevi até metade do capítulo 3, agora vou parar pra revisar de acordo com o que anotei sobre suas dicas sobre diálogos. Enfim, a minha história tem oito personagens principais e um romance principal ( triângulo amoroso ), apesar de necessitar muito nas narrativas, é uma história praticamente movida a diálogos, se não as cenas não andam e as coisas ficam sem sentido. Queria saber 1) se você tem alguma dica para manter o interesse do leitor em histórias com muitos personagens e organizar de uma forma que fique claro a personalidade de cada um e qual seu papel na história 2) se você tem algum guia pra cenas eróticas, qualquer dica que possa me dar, se tem algo que pode ou não possa escrever, formas de tornar mais interessante 3) qual plataforma você indicaria para eu lançar minha história quando terminar 4) quanto tempo você demorou pra escrever seu primeiro livro 5) as melhores ferramentas na internet para ampliar vocabulário quanto a escrita sem ser o dicionário de sinônimos. Desculpe pelo excesso de falação, e parabéns pelo site, estou lendo à tarde toda e está me ajudando muito!

Vilto Reis

Oi, Sue. Tudo bem?
Obrigado por acompanhar o site. Siga escrevendo. Vou responder suas perguntas com honestidade e sinceridade:
1) Eu mesmo (no momento) não conseguiria escrever uma história com oito protagonistas. Exige muito mais do escritor. Será que precisa realmente de tantos assim? Não é possível pegar a história de dois deles e contar? Vai ser mais fácil de você conseguir escrever esta história até o fim.
2) Não tenho, mas recomendo que leia Anis Nïm. Pra mim, a melhor escritora de contos eróticos. Não somente pelas descrições, mas por mostrar que sempre tem um segundo sentimento envolvido além do desejo.
3) Se sua ideia é lançar independente, Wattpad se você estiver interessada em ganhar leitores (mas não dinheiro) ou na Amazon KDP se quiser algum retorno financeiro.
4) 22 dias para escrever a primeira versão e quase dois anos para transformar aquele texto horrível em um livro de verdade. Faz parte.
5) Recomendo muito uma ferramenta que não tem online, o Dicionário analógico (esse aqui: https://amzn.to/2lzWLnY), pois a partir de uma palavra, ele te dá uma série de conceitos.
Ufa! Espero ter ajudado.

Sue

E sobre o caps look em falas gritadas? É melhor citar que a pessoa gritou ou não tem problema usar?

Vilto Reis

Mera escolha do escritor. O mais usual é dizer que o personagem gritou (até para não ficar parecendo conversa de Whatsapp de grupo de família, haha).

Fábio Gago

Sobre a última questão da Sue,vale a mesma regra para a gargalhada?

Vilto Reis

Pode explicar melhor a pergunta?

Fábio Gago

E sobre a bíblia?
Quase não se usa travessão ou aspas.
Eles estão corretos na colocação?

Vilto Reis

No caso da bíblia, foi adaptado para o português porém, penso eu, foi mantido alguma coisa do latim, pois a forma utilizada não é muito usual. Isso não quer dizer que esteja errado. Só é uma forma menos convencional.

Bryan

Muito obrigado. você ajudou muito no meu projeto.

Vilto Reis

Valeu, Bryan!

MICHELE BATISTA PEREIRA

Olá,

Muito obrigada por compartilhar as informações de forma tão organizada.

Estou escrevendo um romande e sempre que os personagens conversam pelo whattshap eu fico em dúvida de como sinalizar isso. Você teria alguma sugestão ou indicação para dar?

Vilto Reis

Tenta colocar numa nova linha em itálico. O leitor já vai entender. Na primeira vez, você diz que eles estão trocando mensagens de texto. Depois não precisa explicar mais.

Thammy

Posso colocar uma frase assim:
Paro de escrever — O que? — olho para ele subindo o desespero – Procurou? Direito?

Ou a fala sempre tem que vir primeiro?

Vilto Reis

Poder você pode, mas como as pessoas estão mais acostumadas a ler a fala primeiro, isso vai causar um pouco de confusão no princípio da leitura. Aí cabe você considerar se vale à pena manter dessa formar, mas possivelmente perder alguns leitores que vão achar confuso e desistir.
Espero ter ajudado.

Giovanna

Muito obrigada! Estou no 9° ano e precisava de algumas dicas, pois gosto muito de escrever e criar as histórias mais mirabolantes, mas tenho dificuldade em manter um nexo e evitar longos e cansativos textos. Entretanto, seu site está me auxiliando muito! Tem alguma dica para uma inexperiente escritora de romances?

Vilto Reis

Oi, Giovanna.
Pode parecer boba, mas a dica principal é “persista escrevendo”. Esses problemas que você mencionou só se solucionam com a prática. Outra coisa que pode ajudar você é estruturar sua história antes de escrever. Indico este artigo aqui para te ajudar nisso: https://viltoreis.com/planejar-um-livro/
Grande abraço.

Rafael Matias

Parabéns, me ajudou muito em organizar minha história.

Vilto Reis

Valeu, meu amigo. Muito obrigado!

Gustavo

Olá!
Eu tenho uma duvida sobre diálogos. Eu sempre escrevi o dialogo em linhas ”continuas” (assim como em livros), uma após a outra, porem em texto onlines (principalmente no wattpad) me deparo muito com falas ”espaçadas”.
Vou exemplificar.

Exemplo 1 (jeito que estou acostumado a escrever)

– Bob, você poderia me ajudar ?
– Claro que sim Fred. O que você precisa ?
– Pegue a caixa de ferramentas lá na garagem, por favor.
– É pra já! – Bob rapidamente se levantou e foi em direção a garagem.

Exemplo 2 (jeito que costumo ver mais em sites de historias amadoras)

– Bob, você poderia me ajudar ?

– Claro que sim Fred. O que você precisa ?

– Pegue a caixa de ferramentas lá na garagem, por favor.

– É pra já! – Bob rapidamente se levantou e foi em direção a garagem.

Minha duvida é, existe alguma ”Regra” ou consenso sobre isso? (digo mais na questão de textos online mesmo)
Ou pode se escrever da forma que achar melhor , e ai depende do leitor ver o que lhe agrada mais?

Gustavo

Revendo aqui nesse site o espaçamento não fica tão diferente kkk, então não sei se deu pra entender direito kkk.
Mas é pq principalmente no wattpad (que uso para ler ), fica muito diferente escrever soltando espaço entre as falas e escrever tudo direto.

Mas em fim, no Wattpad (onde esse formato mais espaçado é comum) fica nitidamente uma linha de espaço entre cada fala.
Desculpe se ficou confuso pela primeira mensagem, mas acho que agora vai ficar mais claro ^^

Vilto Reis

Deu para entender. Espero ter respondido acima 😉

Vilto Reis

Oi, Gustavo.
Não precisa se preocupar tanto com isso. Em livros, além dessa diferença que você falou (a ausência de espaçamento após o parágrafo), também temos o recuo na primeira linha de cada parágrafo. Na internet, entretanto, a formatação que o pessoal usa é diferente. Por isso, acredito, o Wattpad optou por seguir uma formatação mais no estilo da internet mesmo. Mas não se preocupa com isso, cada meio possui sua linguagem e é melhor respeitar para não criar um estranhamento por parte do leitor.
Grande abraço!

Marah Caraí Muinietu

Olá Vilto, Gratidão imensa!!! Sempre gostei de escrever, Há 3 anos atrás tive um grave AVC mas a medicina com suporte da Espiritualidade operaram o milagre e sobrevivi. Tive que voltar a aprender até a tomar banho mas estou muito Bem! Só que descobri o manuscrito de dois livros incompletos – um romance policial : Chocolate com Morangos e outro para adolescentes rsrs Histórias fascinantes… até a partir de alguns comentários que meu filho resgatou mas que as pessoas se perderam nesses 12 anos que havia parado de escrever porque me “joguei” no trabalho para comprar meu carro e casa… VOCÊ está sendo meu passaporte para resgatar os fragmentos de memória sobre/ e das histórias para seguir em frente, quando estou reaprendendo até a digitar. Deus o abençoe infinitamente.

Vilto Reis

Poxa, que história!
Boa sorte com seus escritos. Fico feliz que os conteúdos estejam ajudando.
Muito obrigado.
Grande abraço.

Flavia

Olá, Vilto. Tudo bem?
Eu também sou uma escritora amadora, como a maioria das pessoas dos comentários, e queria tirar uma dúvida sobre pensamentos em narrativa. Sei que a melhor forma de deixar uma leitura fluida é adaptar os pensamentos dos personagens, para que fiquem como forma de narração; alguns pensamentos, porém, são melhores quando expressados diretamente.
Particularmente, eu costumo usar o itálico para indicar tais pensamentos, porque achei a opção mais estética do que no caso das aspas. Minha dúvida é a seguinte: como continuar a narrativa depois de colocar os pensamentos em itálico, especialmente quando estes precisam ser finalizados com pontuação especial?

Exemplo (considere as sentenças entre asteriscos, como os pensamentos formatados em itálico):

1) “*O que está acontecendo?*, questionou-se em pensamentos.” (Nesse caso, eu coloco uma vírgula vinculada ao ponto de interrogação mesmo?)

2) “*Caramba*, pensou o rapaz, *como posso fazer isso sem que tudo termine em caos?*” (A narrativa vem entre vírgulas, com a segunda parte do pensamento iniciada em letra minúscula? Ou a narrativa termina com um ponto final e, na sequência, inicia-se o novo pensamento com letra maíuscula?)

Obrigada desde já! Aguardo sua resposta.

Vilto Reis

Oi, Flávia. Obrigado por acompanhar.
Não existe um consenso sobre a forma “certa” de fazer isso. Logo, os dois exemplos que você citou podem ser utilizado sem problemas. O importante é você fazer uma escolha de estilo e ser fiel a ela.

Dias

tudo bem? gostei muito do seu site, parabéns pelo conteúdo. 😉

Vilto Reis

Valeu, Dias. Obrigado!

Emerson Nascimento

Ajudou muito, Obrigado pelas dicas. Abç.

Vilto Reis

Que bom que gostou, meu amigo.
Obrigado por comentar!

Kenny

Livros com diálogos de áspas, alguém pode me recomendar alguns? não conheço nenhum…

Vilto Reis

Oi, Kenny.
Normalmente, os tradutores substituem as aspas por travessão quando os livros vêm para o português. Dois livros que lembro que saíram aqui com aspas foram: On the road, de Jack Kerouac, e O professor do desejo, de Philip Roth.
Obrigado por comentar e acompanhar!

Jeferson

Olá..
Gostei muito da maneira como você coloca as coisas e isto facilitou muito para eu absorver o conteúdo.
Gosto muito de escrever, mas não fiz isso quando jovem e agora, aos 74 resolvi tentar.
Sempre tive por hábito observar as pessoas e o que elas fazem.
Teve uma época que eu conhecia alguém e, quando chegava em casa, fazia um resumo do “personagem”.
Encontrei varia pessoas que mereciam ser personagens de uma boa historia.
Com o tempo e com as dificuldades que temos para sobreviver, este material acabou se perdendo.
Todavia, ainda tenho uma série de ideias e de coisas que vivi que poderiam resultar boas historias então, vou tentar colocá-las no papel.
Eu gostaria da sua opinião e de um eventual conselho.
Quase sempre, quando penso em escrever uma, penso em fazê-la na primeira pessoa.
Eu não sei se é melhor assim ou não. As vezes me parece arrogante demais.
Apreciaria um conselho teu e sugestões de onde encontrar material sobre essa dúvida.

Vilto Reis

Olá, Jeferson. Nunca é tarde para começar.
Sobre sua dúvida, talvez este artigo aqui possa te ajudar: https://viltoreis.com/primeira-segunda-ou-terceira-pessoa/
Mas adianto que não há problema algum em escrever em primeira pessoa.